Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

CSN quer captar R$ 5 bilhões até o fim do ano

Após divulgar balanço do 4º trimestre e fechar acordo com a Glencore, ações da siderúrgica subiram 9% na Bolsa

Circe Bonatelli e Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2019 | 05h00

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) prevê captar R$ 5 bilhões em dinheiro novo em 2019, como parte da estratégia de reduzir seu endividamento e de atingir a relação entre dívida e geração de caixa para 3 vezes. Desse montante, R$ 2 bilhões virão por meio do contrato fechado com a Glencore, que prevê o fornecimento de minério de ferro pela CSN por um prazo de cinco anos.

Esse contrato, aliado à divulgação de um resultado considerado robusto pelo mercado – lucro líquido de quase R$ 1,8 bilhão apenas no quarto trimestre de 2018, cinco vez mais do que no mesmo período do ano anterior – animaram o mercado financeiro.

O principal papel da siderúrgica de Benjamin Steinbruch disparou ontem na B3, a Bolsa paulista. A ação ordinária da CSN fechou em alta de 9,39%, cota da R$ 11,53. Os analistas do Santander classificam os números da CSN como sólidos e acima do esperado. Eles apontam principalmente os dados do segmento de mineração, como boa demanda e preços favoráveis.

O Itaú BBA passou a considerar os papéis da CSN como de potencial acima da média do mercado. “Reconhecemos que a CSN apresenta uma história de investimento arriscada, mas acreditamos que a empresa pode se beneficiar de uma combinação de maiores preços para o minério, maior demanda de aço e cimento no Brasil e baixas taxas de juros”, apontou o banco, em relatório.

Venda de ativos

Para atingir a meta de R$ 5 bilhões em captações, a CSN ainda precisa “correr atrás” de R$ 3 bilhões. Uma das saídas para atingir essa meta é a venda de ativos – em especial os que a empresa detém na Europa – e de ações preferenciais na Usiminas (na qual é sócia minoritária).

“Pela qualidade dos ativos e pela possibilidade de operações financeiras que podemos fazer, acreditamos na iniciativa de chegar a uma alavancagem em menos de 3 vezes. Vamos certamente entregar esse compromisso”, disse Steinbruch, ontem, em entrevista sobre os resultados da siderúrgica.

A companhia também informou ontem que prevê investir cerca de R$ 400 milhões nos próximos quatro a cinco anos com seu programa de segurança e revisão das atividades das barragens – o valor, no entanto, não alteraria significativamente os planos originais. A CSN tem sete barragens de rejeitos de minério, sendo três em Casa de Pedra, duas em Pires e duas em Fernandinho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.