CSN reajusta aço e fala em siderurgia perto do limite

A CSN anunciou hoje que fará um reajuste de 15% no aço laminado a quente em 14 de maio. Segundo a companhia, as bobinas a frio terão alta de 11%, enquanto as bobinas zincadas terão alta de 6,5%, e as folhas metálicas, de 6%. O presidente da empresa, Benjamin Steinbruch, afirmou em reunião com analistas que a siderurgia brasileira está operando próxima do seu limite e os empresários brasileiros precisarão se adaptar à nova realidade de crescimento de mercado. "O Brasil não está acostumado com crescimento, mas estou otimista com o mercado de aço", disse.O executivo destacou que a siderurgia poderá ter de rever alguns conceitos, como a possibilidade de adotar fornos de 500 mil toneladas, comuns na China. "Seria uma forma de atender mercados regionais", afirmou. Segundo ele, o País não está preparado para a nova realidade e terá de estudar inovações para atender a demanda.O reajuste, impulsionado pelo expressivo aumento do carvão, superou as previsões iniciais do mercado. Em março, a CSN anunciou aos seus clientes que faria um repasse de 22% no preço do aço laminado a quente. Uma alta de 13,5% foi praticada a partir do dia 18, e o restante (8,5%) seria aplicado em maio. A alta de 15% anunciada para maio ficou bem acima desta projeção. Nos laminados a frio, a CSN já havia aumentado os preços em 8,5%; o preço dos galvanizados subiu 3,5% em março. Mais reajustesA CSN acredita que ainda existe espaço para novos reajustes no preço do aço, que devem ocorrer em julho ou agosto. "As importações de aço estão em tendência de queda devido aos elevados preços no mercado internacional", disse o diretor comercial da empresa, Luis Fernando Martinez.Ele explicou que os países emergentes estão reduzindo suas exportações para atender os mercados internos, o que colabora para a alta dos preços mundiais. Segundo Martinez, a Índia estabeleceu uma tarifa de exportação de 15% para o aço, seguindo os passos da China, que adotou várias medidas para desestimular as vendas externas no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.