Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

CSN vê espaço para reajuste nos preços do aço em 2008

O aumento dos custos de produção e a demanda aquecida devem motivar reajustes no preços do aço em 2008, segundo o diretor executivo financeiro da CSN, Otávio Lazcano. Ele afirmou, em teleconferência, que a perspectiva é de reajustes de dois dígitos para o ano que vem. "Todos os mercados devem registrar crescimentos expressivos, com destaque para o setor automotivo, construção civil e máquinas", disse Lazcano. Segundo ele, a alta nos preços do minério de ferro deve colaborar para este movimento.No terceiro trimestre, a CSN concluiu os reajustes de preços iniciados em junho de 2007, com alta de 4% a 6% nos produtos laminados. Em comparação com o terceiro trimestre de 2006, os preços dos produtos laminados a quente subiram 12% e os dos galvanizados cresceram mais 15%. De acordo com Lazcano, o ritmo das importações de aço no mercado brasileiro também pode influenciar os repasses.A companhia reafirmou seus planos de ampliar a produção de aço no Brasil. O projeto prevê o aumento de 9 milhões de toneladas na produção de placas de aço, que começarão a ser produzidas em 2009. Do montante, 2,5 milhões de toneladas ficarão no Brasil para produzir chapas grossas, aços longos e trilhos. O restante será vendido para unidades de laminação no exterior. A produção de chapas grossas está sendo incentivada pela grande demanda de tubos para transporte de óleo e gás, de acordo com Lazcano. AquisiçãoA CSN continua procurando ativos na área de laminação no exterior (em especial Europa e Estados Unidos), mas sem ansiedade, segundo o diretor executivo financeiro da companhia. "No momento não estamos avaliando nenhuma compra em especial", disse em teleconferência com jornalistas. Segundo ele, a maior preocupação da companhia é ter uma alta competitividade e não estar entre as dez maiores do setor.

NATALIA GÓMEZ, Agencia Estado

14 de novembro de 2007 | 15h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.