CSN vende empresa de minério

Negócio deve incluir a mina CFM, de US$ 440 milhões

Marianna Aragão, O Estadao de S.Paulo

23 de abril de 2008 | 00h00

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) estuda vender sua subsidiária Nacional Minérios S.A. (Namisa), empresa de mineração com jazidas em Minas Gerais. A Namisa produziu no ano passado 2,4 milhões de toneladas de minério de ferro - grande parte para exportação. Em comunicado ao mercado, a CSN informou que contratou o banco Goldman Sachs para trabalhar na venda, parcial ou total, da subsidiária.A empresa não deu mais detalhes sobre a operação. Mas sabe-se que a Namisa é uma distribuidora de minério da CSN, que tem entre seus ativos a mina CFM, comprada no ano passado. Como a CFM foi comprada por US$ 440 milhões, analistas de mercado avaliam que a Namisa pode sair por um valor bem maior. O negócio não envolve todos os ativos de mineração da CSN. Sua principal mina, a Casa de Pedra, em Minas Gerais, não será vendida e continua a fazer parte da estratégia de verticalização da produção da CSN.As siderúrgicas brasileiras estão verticalizando a produção, investindo em todas as etapas do processo, da mineração à fabricação do aço. Essa é uma maneira de driblar a alta do preço do minério no mercado internacional. A Usiminas, por exemplo, comprou no ano passado a mineradora J.Mendes, em Minas Gerais, com produção de 6 milhões de toneladas ao ano, por um valor mínimo de US$ 900 milhões - mas pode dobrar, dependendo da comprovação do tamanho das reservas.CASA DE PEDRANo ano passado, a CSN havia anunciado que tinha planos de fortalecer seus ativos em mineração para criar uma grande empresa do setor, listada na Bolsa. Seu principal ativo seria a Casa de Pedra, com reservas provadas de 1,6 bilhão de toneladas. Este ano, a Casa de Pedra deve produzir 20 milhões de toneladas, fazendo da CSN auto-suficiente em minério. Apesar do anúncio, a oferta de ações da Casa de Pedra ainda não saiu do papel. A Namisa, por sua vez, foi criada no final de 2006. Naquela época, apenas comprava de pequenas e médias mineradoras de Minas Gerais para exportar por meio da rede logística da CSN, usando principalmente o Porto de Itaguaí. Com a aquisição da CFM, em julho passado, a subsidiária passou também a produzir minério. Segundo informações do balanço da CSN, no ano passado a Namisa produziu 2,4 milhões de toneladas e comprou de terceiros outros 3,8 milhões de toneladas. Desse total, 7,1 milhões de toneladas foram transferidas para a própria CSN. A Namisa quer aumentar sua capacidade de venda de minério dos atuais 14 milhões de toneladas por ano para até 40 milhões por ano em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.