CSP, da Vale, terá US$ 3,1 bi de financiamento

A Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), sociedade entre a Vale, com 50%, e as sul-coreanas Dongkuk (30%) e Posco (20%), conseguiu financiamento de US$ 3,1 bilhões para concluir o projeto de construção da usina, que será erguida em São Gonçalo do Amarante (CE).

MÔNICA SCARAMUZZO, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2015 | 02h05

Além do BNDES, que aprovou investimento da ordem de US$ 1 bilhão deste total, integram a operação o Export-Import Bank of Korea (Kexim), que liderou o consórcio que reúne outros sete bancos comerciais e investirá os US$ 2,1 bilhões restantes.

Esse é o primeiro acordo de financiamento multifonte entre o banco de desenvolvimento brasileiro e uma agência de crédito à exportação coreana, afirmou Luis Alberto Ambrósio, sócio do escritório Trench, Rossi e Watanabe Advogados, que atuou nessa operação em parceria com a equipe do Vieira, Rezende, Barbosa e Guerreiro Advogados.

O início da produção da siderúrgica, que terá capacidade de produção de até 3 milhões de toneladas anuais de placas de aço, está previsto para 2016. Segundo Ambrósio, a aprovação desse financiamento viabiliza a concretização desse projeto. A expectativa é de que toda produção seja destinada à exportação. O investimento total está orçado em cerca de R$ 12,7 bilhões.

Recursos. Em janeiro, o banco francês BNP Paribas aprovou empréstimo-ponte de US$ 240 milhões por seis meses para a construção da usina. O primeiro empréstimo, de US$ 900 milhões, foi contratado pela CSP com um "pool" de bancos formado por Santander, HSBC e instituições financeiras coreanas Korea Finance Corporation (KoFC) e Nonghyup Bank.

Além de US$ 1,2 bilhão injetado via financiamentos de curto prazo, cerca de US$ 2 bilhões em capital próprio já foram aportados pelos acionistas na CSP. Desse total, a Vale investiu US$ 1 bilhão.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.