Cuidado com o golpe do aluguel de temporada

Para aqueles que pretendem alugar imóveis em outras cidades ou estados para as festas ou as férias de fim de ano, o Procon-SP - órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual - e a polícia recomendam uma série de cuidados. Principalmente para não cair no golpe da casa de temporada.O comerciante Nerival de Oliveira, de 33 anos, e sua mulher, Nice de Souza, de 29 anos, quase foram vítimas desta modalidade de crime, o estelionato. Os dois viram um anúncio para aluguel de uma casa no Guarujá, no litoral sul de São Paulo, e telefonaram para o suposto proprietário que pediu, antes de mais nada, que o casal depositasse a metade do valor da locação em uma conta bancaria.O estelionatário se apresentou ao casal como "Wilson" e chegou a enviar fotos, por meio de correio eletrônico, da residência a ser locada para Nerival. Desconfiado, o comerciante foi até o endereço da casa indicada por Wilson. "Quando cheguei lá, falei com a real proprietária e vi que tudo não passava de um golpe. Minha sorte foi que não cheguei a fazer nenhum depósito na conta do tal de Wilson", falou Nerival.M.C., de 41 anos, dona da residência, disse ter ficado espantada com a história do comerciante. "Eu não acreditei. Já fechei contrato de aluguel para o fim de ano e tenho medo de que vítimas do golpe apareçam dizendo que pagaram pela casa", falou M..A reportagem entrou ontem em contato com Wilson. O estelionatário cobra R$ 250 a diária do imóvel e afirmou ter muita gente interessada na locação para o final de ano. "O primeiro que depositar o dinheiro fica com a residência", falou. Ele ainda garante a emissão do recibo. "Eu estou no Rio Grande do Sul, mas quando eu chegar pode ter certeza que solto o recibo para você", afirmou.O estelionato é crime e a pena varia de 1 a 5 anos de prisão. "É muito comum esse golpe, principalmente nessa época festiva do ano", afirmou o delegado Manoel Camassa da Delegacia de Estelionato."Nunca esse tipo de negociação deve ser feita pelo telefone", afirmou o delegado.Sônia Amaro, assessora de direção do Procon-SP, alerta o consumidor para não ser lesado. "O inquilino deve exigir recibo de todas as quantias pagas. Faça uma vistoria no local, em companhia do proprietário e não confie apenas em fotos ou em anúncios."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.