Cuidados ao construir uma piscina em casa

Antes de realizar a construção de uma piscina em casa, o consumidor deve estar atento ao contrato de prestação de serviço, tipos e preços de materiais, formas de pagamento e sobre os profissionais responsáveis pela construção da piscina. A Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor vinculado ao governo estadual, e a Associação Nacional dos Fabricantes e Construtores de Piscinas e Produtos Afins (Anapp) dão algumas recomendações importantes.O primeiro passo é verificar se o terreno disponível serve para a construção de uma piscina. "O consumidor pode consultar técnicos e engenheiros, que trabalham em revendedoras, para ver se o terreno que possui é apropriado para a instalação de uma piscina ", aconselha o presidente da Anapp, Kaumer Rodrigues.O consumidor também não pode esquecer de pesquisar preços e modelos disponíveis em lojas revendedoras ou fabricantes de piscinas. Existem três tipos de piscina: vinil, fibra de vidro e de concreto ou alvenaria. "As piscinas de vinil e fibra de vidro custam menos que um carro popular", alerta Kaumer. As piscinas de vinil convencionais, que medem 8 de comprimento por 4 de largura e 1,40 metros de profundidade custam a partir de R$ 4mil em São Paulo. Já a mesma piscina de concreto pode custar o triplo. (veja mais informações sobre preços no link abaixo).A assistente de direção do Procon-SP, Gabriela Ribas Antônio, destaca que é o consumidor que, antes de iniciar à obra, deve visitar outras piscinas construídas e instaladas pelo revendedor contratado. O consumidor deve pedir também indicação de amigos e parentes. Outra opção é ligar para o cadastro de reclamações fundamentadas do Procon-SP (telefone (0xx11) 3824-0446) ou para a Anapp (telefone (0xx11) 5523-8688) para verificar se a empresa é idônea. O consumidor deve ficar atento aos problemas na hora da instalação como: infiltrações por serviço de encanamento mal feito, problemas de rachaduras, rasgos, bolhas, furos e defeitos no vinil e na fibra de vidro, rachaduras e azulejos mal colocados no caso de piscinas de concreto. Também deve verificar se a instalação de todos os equipamentos de manutenção e limpeza está sendo feitos corretamente. Contrato e garantiaOutro detalhe importante na construção é a contratação dos serviços de mão-de-obra para a instalação da piscina. A assistente de direção do Procon-SP ressalta que o consumidor deve deixar explícito no contrato quem será o responsável em cavar o buraco no terreno e fornecer o material para concretizar a obra. "A responsabilidade de instalação da piscina é da empresa revendedora. Porém, deve estar em contrato de quem é a responsabilidade da contratação da mão-de-obra", explica Gabriela Antônio.No contrato deve estar descrito informações sobre as medidas da piscina, o material utilizado, o preço da mão-de-obra, o prazo de início e de entrega da construção, garantia e as formas de pagamento. Gabriela alerta o consumidor a exigir também informações sobre a garantia. "O consumidor também deve vincular a maior parte do pagamento na data de entrega da obra", recomenda a assistente de direção do Procon-SP. A garantia total do serviço deve ser de 90 dias, prazo que consta no artigo 26 do Código de Defesa do Consumidor como garantia legal para bens duráveis, a partir da finalização da obra. De acordo com o Procon-SP, o consumidor pode exigir uma correção do serviço malfeito ou o dinheiro de volta com correção monetária. Outra saída é pedir que um outro profissional refaça a reforma e o pagamento fica por conta do antigo contratado, desde que haja um acordo prévio entre as partes.Confira no link abaixo os preços e materiais para a construção de uma piscina em casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.