Cuidados com a compra de peças de demolição

Arquitetos avaliam que o material de demolição deve ser utilizado como um material que vai dar uma estética diferente à reforma ou construção. O arquiteto do escritório Ruy Otake, Rodney Rodrigues Barbosa avalia que a compra de peças de demolição é vantagem para o consumidor que tem o objetivo de comprar as peças antigas para decoração e não como economia. "Atualmente existem grandes variedades de preços e modelos de materiais de construção. A maioria das peças de demolição custa mais caro que as peças mais modernas", avalia o arquiteto.A arquiteta e urbanista Patrícia Costa recomenda ao consumidor que pretende comprar material de demolição realizar uma pesquisa minuciosa de preços e peças em lojas especializadas. "As peças devem estar em boas condições e ser restauradas por profissionais especializados. O consumidor deve fazer uma pesquisa para comparar qualidade e preço", ressalta a arquiteta.Patrícia destaca que o consumidor deve vasculhar os estoques das lojas de materiais de demolição, pois muitas vezes peças que ficam expostas são mais caras, porém, não necessariamente as mais interessantes. "O consumidor deve avaliar a real necessidade de utilizar uma peça de demolição em sua obra", alerta a arquiteta. Outro ponto importante na compra do material de demolição é o projeto da casa ou da reforma.Os arquitetos informam que o consumidor devem tirar as medidas exatas dos materiais de demolição para incluir no projeto arquitetônico da casa a ser construída ou reformada. "O consumidor precisa adequar o material de demolição ao projeto da casa, para evitar que os elementos estruturais da casa não inviabilizem a instalação, por exemplo de portas e janelas antigas, que possuem medidas diferentes das atuais", explica o arquiteto do escritório Ruy Otake, Rodney Rodrigues.ImperfeiçõesO consumidor também precisa ficar atento as rachaduras e imperfeições presentes em muitas peças de demolição. De acordo com Eli de Oliveira Ferreira, gerente da loja Como Antigamente, louças e cerâmicas com rachaduras e imperfeições são de difícil reparo. "O consumidor precisa estar atento ao trabalho de restauração realizado no mercado; o tratamento da peça não deve desfigurar os detalhes de época, que são o charme dos materiais antigos", explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.