Cuidados para investir em ações

O melhor momento para aplicar no mercado acionário é na baixa, ou seja, quando a Bolsa atinge seu ponto mais crítico e vai entrar em um período de recuperação. O problema é saber quando isso vai ocorrer exatamente. Para contornar essa dificuldade, a receita tem sido a de fazer depósitos freqüentes nos períodos em que o mercado já caiu bastante, mas não há tendência clara de continuidade da baixa. Até sexta-feira, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) acumulava desvalorização de 14,43% no ano.Uma vez tomada a decisão de entrar nesse mercado, o investidor precisa saber escolher os melhores papéis. Tomar por base apenas o preço da ação não é a maneira mais correta. Isso porque há papéis que estão desvalorizados e não deverão dar retorno ao investidor, pelo menos no médio e longo prazo. Os motivos podem ser por problemas na empresa ou no setor onde ela atua.Exemplo disso são as ações preferenciais (PN, sem direito a voto) da Embratel Participações. Um levantamento feito pela Planner Corretora de Valores mostra que as ações do Ibovespa - Índice que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na Bolsa - eram as que registravam no dia oito as maiores quedas em relação ao preço máximo do papel verificado no ano. Quanto maior a queda, mais barato está o papel, porque, teoricamente, ele teria mais espaço para evoluir. No levantamento, verifica-se que as ações PN da Embratel estavam com preço 49,2% abaixo do máximo alcançado no ano, de R$ 52,95. No entanto, explica o gerente de Finanças da Socopa Corretora, Gregorio Mancebo, a empresa recebeu multa de R$ 800 milhões por ter deixado de recolher Imposto de Renda sobre a recepção de ligações. Como esse erro foi cometido antes da privatização, os atuais controladores não querem arcar com o prejuízo. "Enquanto esse problema não for resolvido, o papel embutirá mais risco."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.