Cuidados para não enfrentar problemas nos EUA

Nas últimas semanas, vários viajantes inocentes foram detidos nos Estados Unidos, com conseqüências muito desagradáveis, simplesmente por descuido ou por simples atitudes consideradas impertinentes por funcionários de segurança. Normalmente, são os viajantes mais experientes que se descuidam de algumas atitudes básicas e perdem vôos, passam por verificações mais detalhadas, e até são detidos pela polícia.É o caso do advogado brasileiro Nelson Tabacow Felmanas, que declarou ironicamente ao funcionário do aeroporto que carregava dois revólveres e uma dinamite na bagagem. Ele foi preso, teve sua bagagem apreendida e pode retornar ao Brasil após pagamento de fiança de US$ 1 mil, mas ainda aguarda julgamento das acusações criminais que pesam sobre ele. Segundo autoridades brasileiras, esse não é um caso isolado.É um erro subestimar a sensibilidade do povo, e, principalmente, das autoridades dos Estados Unidos aos ataques de 11 de setembro. O senso de humor típico dos brasileiros depois de grandes catástrofes não é compartilhado por outras culturas. Entre o cidadão comum, a gravidade dos atentados despertou um sentimento de modéstia e respeito. Para as autoridades, de extrema responsabilidade. Mesmo com amigos e conhecidos norte-americanos, o melhor é evitar o humor negro, que pode interpretado como ofensa, especialmente, porque muitas pessoas têm parentes e conhecidos entre os mortos.Além de alguns dissabores, piadas incompreendidas podem ter conseqüências radicais. O chileno Juan Carlos San Martín fez uma brincadeira com a comissária de bordo, afirmando que carregava uma bomba a bordo. O avião acabou escoltado por caças da Força Aérea norte-americana, teve de aterrissar e passar por exame minucioso. San Martín enfrenta acusações que podem levar a vinte anos de prisão. O governo norte-americano está revendo toda a segurança aérea, incluindo a presença de agentes federais armados nos aeroportos, nos vôos e cabine de pilotos lacradas. Nessas circunstâncias, os efeitos de uma brincadeira podem ser ainda mais graves.Seguro de viagem com cobertura legalLevar sempre seguro de viagem é essencial, com assistência médica e, atualmente, legal. Algumas empresas oferecem centrais de atendimento em vários países, providenciando médicos, dentistas e advogados confiáveis e realizando elas mesmas os pagamentos. Outras apenas reembolsam o passageiro quando ele retorna ao Brasil, o que força o turista a providenciar a assistência. Se quebrar qualquer cláusula contratual, o viajante pode perder o direito à cobertura. O melhor é evitar esse tipo de apólice. Verifique as condições do seguro que o agente de viagens tenta vender, e, se não agradar, compre outro.Atenção à documentaçãoDe maneira geral, as autoridades responsáveis pelo controle de estrangeiros, no mundo todo, são muito sensíveis a qualquer sinal que desperte suspeita. Vistos e autorizações de entrada, verificação de bagagem e procedimentos de segurança são processados aos milhões diariamente por funcionários que não têm tempo para cumprir suas tarefas satisfatoriamente. Para o turista, em qualquer uma dessas situações, o mais recomendável é sempre agir com calma e seriedade, respondendo objetivamente àquilo que lhe é perguntado. O radialista Maurício Ventura, por exemplo, permaneceu cinco dias preso por uma irregularidade em sua documentação que ele desconhecia. Acreditava que seu visto de turista estivesse válido, mas, como esteve nos Estados Unidos trabalhando em abril, sua autorização para entrar no país como visitante expirou automaticamente. Voltando em setembro, ele passou cinco dias preso.Uma aparência insuspeita e uma história simples e coerente são as maiores garantias contra aborrecimentos. Também é importante verificar se a documentação necessária está em ordem e não fazer nada às pressas. A recomendação das companhias aéreas é chegar ao aeroporto com no mínimo duas horas de antecedência para vôos nacionais e três, para internacionais. Passaporte brasileiro é bem visto entre assaltantesÉ importante ressaltar que o turista deve manter consigo ou em cofres dinheiro, traveller checks, cartões de crédito, passagem e especialmente o passaporte. O passaporte brasileiro é muito bem aceito no mundo todo e não desperta suspeitas. Quando roubados, documentos e cartões podem ser utilizados para atividades criminosas, trazendo dores de cabeça ao titular. Quem perder ou sofrer roubo desses itens deve comunicar o fato imediatamente à representação diplomática brasileira mais próxima, à polícia local e às instituições financeiras responsáveis pelo cartão ou traveller check.Cuidados com a bagagemÉ proibido o transporte em aeronaves de quaisquer objetos tóxicos, inflamáveis, explosivos ou sujeitos a explosão sob alteração de pressão, armas de fogo e brancas - incluídos aí prosaicos canivetes, estiletes, facas, tesouras e cortadores de unhas, metálicos ou plásticos. Os funcionários das empresas aéreas perguntarão ao passageiro se ele carrega algum desses objetos. Dar informações erradas já é crime, insistir em levá-los também.Recomenda-se atenção atento a outros objetos que possam gerar suspeitas. O caso clássico é o talco, por vezes confundido com cocaína, mas qualquer item mais exótico pode acabar trazendo muitos aborrecimentos.O passageiro também deve identificar sua bagagem com clareza, com seus dados pessoais, endereço e telefone por dentro e por fora. Também ajuda deixar alguma marca bem visível, como um adesivo ou pano colorido. Recolher a mala de outro passageiro equivocadamente por causa da semelhança entre elas é mais comum do que se imagina.Antes de passar por controles com bagagens, especialmente pela alfândega, vale a pena abrir bolsos externos e partes não lacradas da mala para verificar a presença de objetos introduzidos por estranhos. Muitas vezes, as malas ficam nas esteiras por muito tempo antes que o passageiro possa retirá-las, estando expostas a terceiros.Cuidado com estranhosJamais levar pacotes para outras pessoas. Para isso, existe o correio. Mas se for inevitável, abra o embrulho e verifique sem sombra de dúvida que não há nada suspeito. O funcionário da empresa aérea perguntará, no check-in, se o passageiro leva pacotes de terceiros. Na dúvida, abrir a encomenda com ele é uma boa estratégia.Nesses momentos de investigações muito rigorosas em alguns países, é melhor evitar dar indícios de intimidade com desconhecidos. Algumas pessoas foram presas por estarem próximas, ou até por terem conversado com suspeitos nos Estados Unidos. Evite ajudar terceiros a passar por controles, dividir acomodações e táxisImigração ilegal é alvo das autoridadesVale lembrar que vários países estão dificultando a obtenção de vistos de todos os tipos. O governo norte-americano está revisando todos os seus procedimentos relativos à entrada e permanência de cidadãos de outros países em seu território. E estrangeiros que violarem as leis de imigração podem ser detidos por tempo indeterminado para investigação. Essa é a arma das autoridades para prender os suspeitos de cumplicidade nos ataques em Washington e Nova York.Estima-se que entre 500 mil e 1 milhão de brasileiros vivam ilegalmente nos EUA. Nos últimos doze meses, 1.241 brasileiros foram detidos entrando ilegalmente no país pela fronteira com o México, duas vezes mais que no ano anterior. Pessoas nessa condição estão mais vulneráveis a abusos agora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.