Cuidados para realizar mudança de residência

Mudar de residência é sempre trabalhoso. O consumidor que contrata uma empresa de transporte para seus móveis e objetos deve ter algumas precauções para garantir um serviço com segurança e eficiência. O ideal, segundo a Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, é contratar transportadoras indicadas por conhecidos e pesquisar preços em pelo menos três empresas diferentes.A assistente de direção do Procon-SP, Edila Moquedace de Araújo, orienta o consumidor a sempre pedir um orçamento prévio que discrimine os serviços a serem executados, os valores cobrados e os objetos transportados. "O consumidor deve fazer pelo menos três orçamentos, levando em consideração preço e qualidade do serviço oferecido". O Código de Defesa do Consumidor (CDC) garante a obrigatoriedade deste documento. Mas o consumidor deve ficar atento, pois a empresa pode cobrar uma taxa para fazê-lo. O consumidor também deve tomar cuidado na hora de assinar o contrato. De acordo com a assistente de direção do Procon-SP, o contrato da mudança deve ser feito por escrito, assim como deve constar nome, endereço e CGC da empresa, dados pessoais do contratante, local, data e horário de retirada e de entrega, valor do serviço, condições de pagamento e tudo o que for acertado verbalmente.O número de reclamações contra esse serviço vêm crescendo no Procon-SP. Em 2000, o órgão registrou 111 consultas e 14 reclamações. Entre janeiro e dezembro do ano passado, foram anotadas 147 consultas e 34 reclamações. Em 2002, entre meses de janeiro e agosto, o Procon recebeu 73 consultas e 15 reclamações. Os principais problemas constatados foram: vício de qualidade, dano material e serviço não realizado como entrega e instalação de objetos. ListaUma lista com todos os objetos e móveis que serão transportados é essencial. "O consumidor deve listar tudo que será transportado e incluir no contrato. Todo material transportado que estiver na lista fica sob responsabilidade da empresa de mudança", avisa a assistente de direção do Procon-SP. Ou seja, se algum objeto quebrar ou for danificado durante a mudança, a empresa terá que restituir o cliente.Objetos pessoais, dinheiro, jóias e documentos devem ser transportados pelo próprio consumidor, recomenda Edila Araújo. "Esta atitude evita prejuízos materiais e a perda de documentos importantes", explica. No caso de objetos de arte como quadros, esculturas, lustres, ela aconselha o consumidor a fazer seguro antes do transporte. PrédiosQuando a mudança for realizada em edifícios, o consumidor deve incluir no contrato os horário e os procedimentos internos determinados pelo condomínio, segundo Edila Araújo. "Para o consumidor que se mudar para prédio, o ideal é medir os móveis, as escadas e os elevadores com antecedência. Podem surgir dificuldades imprevistas durante a mudança como, por exemplo, a necessidade de içar algum móvel", alerta.Outro item importante na hora da mudança é forma de transporte. O consumidor, segundo a assistente de direção do Procon-SP, deve verificar a necessidade de desmontar os móveis, qual a forma de transporte e o tipo de embalagem que será utilizada para protegê-los e se estes serviços estão incluídos no orçamento.O consumidor deve confirmar também se a montagem no novo endereço está incluída no orçamento. "Se o consumidor não puder estar presente na hora da mudança, por motivos de viagem ou trabalho, deve pedir a uma pessoa de sua confiança que faça a conferência e relacione por escrito eventuais danos ou extravios de objetos", ensina Edila Araújo. O prazo para o consumidor reclamar sobre eventuais problemas ou vício de qualidade do serviço é de 30 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.