André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Paralisia da economia não é culpa do Congresso, diz Cunha

Presidente da Câmara afirmou nas redes sociais que ajuste fiscal foi aprovado 'de forma célere' na casa

FERNANDA GUIMARÃES, O Estado de S. Paulo

01 de agosto de 2015 | 09h41

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, atacou, por meio de sua conta do twitter, o governo federal e disse que "não é culpa do Congresso a paralisia da economia, a recessão, os juros elevados e a queda da arrecadação pela situação de descontrole". Ele disse ainda que na Câmara todas as propostas do ajuste fiscal "foram aprovadas de forma célere".

"Tenho absoluta consciência do momento de crise econômica e sempre me pautei por posições contrárias ao aumento dos gastos públicos", disse. O deputado afirmou ainda nesta manhã que a tentativa de colocar em suas costas "uma pauta bomba" para prejudicar as contas públicas não tem o menor sentido. "As medidas que geraram vetos do governo foram fruto de emendas às MPs (Medidas Provisórias), que obtiveram na Camara e Senado maioria e gerou o veto", disse.

Cunha disse que a correção do FGTS não está relacionada com as contas públicas, "pois se trata dos saldos futuros dos depósitos do dinheiro dos trabalhadores". "A correção do judiciário saiu de comissões, em caráter terminativo, sem qualquer recurso do governo para levar ao plenário", afirmou. "Eu nem voto e qualquer matéria que passa só pode se tiver a maioria ou, no caso de PEC, quórum qualificado", afirmou.

Cunha criticou o governo e destacou que não houve corte de gastos, apenas dos investimentos. Segundo ele, o governo poderia ter reduzido o número de ministérios e os cargos de confiança. "Mesmo que para a economia isso não fosse tao significativo, o exemplo seria um importante sinal para a sociedade", disse na rede social, neste sábado, 1º.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo Cunhaeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.