coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Cúpula da FAO termina em controvérsia

A cúpula mundial das Nações Unidas sobre Alimentos terminou nesta quinta-feira com a defesa de sua importância e críticas de que não foi obtido nenhum avanço na luta contra a fome. Jacques Diouf, diretor-geral da Organização para a Alimentação e a Agricultura, FAO, disse que a cúpula conseguiu estabelecer metas para alimentar os famintos do mundo e atraiu um número recorde de participantes. No final, ao falar sobre os que assistiram ao encontro, reconheceu que, dos 181 países-membros da organização, apenas 74 chefes de Estado e de governo estiveram presentes à cúpula de Roma. Ao longo da semana, os funcionários da ONU se haviam recusado a fornecer números devido às críticas de que os líderes ocidentais haviam desconsiderado o encontro.Diouf reconheceu em uma entrevista que a ausência de todos, com exceção de dois líderes do mundo industrializado "envia uma mensagem equivocada. Porque... as relações humanas não tratam apenas de números e cifras. Tratam de psicologia". Não obstante, defendeu perante a imprensa o resultado da cúpula: "Adotamos por unanimidade uma declaração com a participação de todos os países do mundo, que concordaram quanto ao que deve ser feito. Como, então, dizer que esta cúpula não serviu a propósito algum?"A declaração respondeu aos comentários de Clare Short, diretora do Departamento de Desenvolvimento britânico, que disse que não enviaria sequer um secretário à cúpula por não acreditar que ela chegasse a qualquer resultado. Grupos defensores dos pobres, do meio ambiente e dos agricultores também disseram que o resultado favoreceu os interesses de corporações americanas sobre biotecnologia e não os famintos do mundo. Os delegados à cúpula se comprometeram a trabalhar para reduzir o número de famintos no mundo de 800 milhões para 400 milhões até 2015. Essa meta foi fixada em 1996 e, embora tenha havido algum progresso desde então, o número de pessoas que passam fome continua igual ao daquela data devido ao crescimento da população mundial. Os delegados se propuseram a reconhecer, através do estabelecimento de metas voluntárias, o direito à alimentação por parte dos 6 bilhões de pessoas no mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.