Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Cúpula do G20 é sinal de mudança nos tempos

Presença dos emergentes foi sinal de que eles são cruciais para solucionar a crise.

Andrew Walker, BBC

16 de novembro de 2008 | 08h03

A cúpula do G20 em Washington foi um evento impressionante primeiro de tudo por conta de quem estava lá. Encontros para discutir a economia global costumavam ter apenas a presença do G7 e depois do G8.Tratava-se de um negócio para países ricos, que depois passaram a convidar a Rússia, nos anos 90, com objetivo de discutir questões políticas internacionais, não para levantar discussões em torno da economia.Hoje os tempos são outros. O problema econômico global precisava da presença dos líderes dos países em desenvolvimento. O G20 estava estabelecido como um fórum para ministros das Finanças tendo as maiores economias em desenvolvimento como membros - China, índia, Rússia, Brasil, Arábia Saudita e outros.E assim vieram para Washington, como países afetados pela crise financeira dos países desenvolvidos e, em alguns casos, como os que poderão ajudar a solucioná-la. O comunicado divulgado após a cúpula não vai por si só mudar o mundo.O maquinário político da economia global não vai virar de cabeça para baixo apesar desses grandes países em desenvolvimento estarem começando a ter importante influência neste processo.No entanto, há alguns elementos no que foi acordado que podem levar a mudanças significativas. No objetivo a curto prazo de limitar as conseqüências da crise financeira, há um pedido para cooperação em políticas econômicas e para que os países usem as finanças do governo para estimular o crescimento. Ficará a cargo de cada país decidir o que fazer, mas o comunicado fornece algum tipo de "proteção" se eles sofrerem críticas dentro de casa, devido a medidas potencialmente polêmicas, como corte de impostos e aumento dos gastos públicos para governos cujas finanças já estão apertadas. 'Provisão dinâmica'Haverá sem dúvida uma desaceleração econômica, uma recessão em muitos países, e um período de crescimento econômico lento para a maioria, ou talvez todos os outros. Já tem havido coordenação entre os Bancos Centrais. E se esta reunião significar mais cooperação, também ajudará. O problema a longo prazo será reduzir os riscos da ocorrência dos atuais eventos que causaram a crise. E mudanças na regulação financeira estarão no centro deste processo. Elas são menos urgentes, por isso a cúpula encomendou mais trabalhos por parte dos ministros das Finanças do G20, dando como prazo final março de 2009. E vale a pena dedicar algum tempo a questões técnicas mais complexas porque qualquer atraso neste processo terá o selo de aprovação do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama.O objetivo é ter uma regulação bancária que não exacerba os ciclos de rápida expansão e conseqüente "explosão da bolha".O sistema da Espanha atraiu bastante interesse porque requer que os bancos construam um amortecedor financeiro nos anos de bonança que possa ajudá-los a absorver as perdas nos tempos ruins quando aumenta o índice de inadimplência. O princípio básico não é exatamente um bicho de sete cabeças, apesar de seu nome, "provisão dinâmica", parecer.Neste sentido é possível que a cúpula desencadeie algumas ações significativas.Certamente, já alterou o elenco de personagens para os quais teremos de olhar no futuro para lidar com os problemas econômicos mundiais. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.