Curso da USP capacita aluno para promover ações na área da saúde pública Ciências da atividade física

O coordenador do curso de ciências da atividade física da USP-Leste, Alex Florindo, conta que o bacharelado está enquadrado na área de educação física, mas que a grade curricular inclui várias disciplinas ligadas à saúde. "Nosso conteúdo oferece formação interdisciplinar no campo da promoção da saúde coletiva, o que não ocorre no bacharelado de educação física."

CRIS OLIVETTE, O CADERNO SOBRE EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA CIRCULA TODA ÚLTIMA TERÇA DO MÊS (LEIA O PRÓXIMO NO DIA 31/7), CRIS OLIVETTE, O CADERNO SOBRE EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA CIRCULA TODA ÚLTIMA TERÇA DO MÊS (LEIA O PRÓXIMO NO DIA 31/7), O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2012 | 03h09

Florindo afirma que o objetivo do curso é capacitar o aluno para trabalhar com promoção e educação da atividade física, principalmente no Sistema Único de Saúde (SUS), além de desenvolver atividade adaptada para pessoas com deficiência.

Depois de formados, os profissionais também podem trabalhar nas mesmas áreas dos profissionais de educação física. "Eles também são treinados e orientados para negociar espaços em escolas e clubes instalados nos bairros, para que a população atendida pelo SUS possa praticar atividade física."

O estágio é obrigatório a partir do quinto semestre, num total de 480 horas. "O campo de atuação vai além dos tradicionais locais de trabalho. Eles são estimulados a desempenhar funções em unidades básicas de saúde, centros de atenção em saúde e em hospitais."

Foi justamente numa ação relacionada ao SUS que Ronailde Braga fez seu primeiro estágio. Em 2011, ela participou de dois estudos sobre intervenções para promover atividade física para usuários do sistema de saúde público, colhendo informações do impacto dessas iniciativas sobre a população. "Com esse estágio notei o quanto preciso aprender sobre gente para trabalhar com gente", diz.

Atualmente, Ronailde está no sexto semestre do curso da USP e faz estágio no Grupo de Estudos e Pesquisas em Epidemiologia da Atividade Física (Gepaf) da universidade, onde analisa os dados de sua pesquisa. "O grupo discute estudos sobre prevenção de doenças por meio da promoção da atividade física no campo da saúde pública."

Depois de formada, ela quer trabalhar nas unidades básicas de saúde (UBS). "Ao longo da pesquisa, percebi o quanto a população carece de informações acerca de atividade física e sobre outros fatores que influenciam a saúde." Para a estudante, o nível elevado de inatividade da população brasileira faz da profissão um grande desafio, já que, numa UBS, é preciso dar conta de milhares de pessoas. "Esse é o desafio que me proponho a encarar após formada."

salário inicial

R$ 3 mil

Duração

4 anos

Disciplinas

Epidemiologia da atividade física e programa de atividade física para portador de doença metabólica, cardiorrespiratória e imunológica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.