Custo de construção subiu 1,26% em junho

O custo médio do metro quadrado de construção no Brasil variou 1,26% em junho, acumulando variação de 9,51% no ano e de 18,63% nos últimos 12 meses, segundo pesquisa realizada pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Em valores monetários, o indicador setorial divulgado pela CBIC foi de R$ 693,12 por m2 de construção. Segundo informações divulgadas pela câmara, o Índice Nacional de Custo da Construção Civil (INCC), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), evoluiu 1,05% em relação a maio de 2003. O item mão-de-obra registrou variação de 1,84%, enquanto os materiais e serviços variaram 0,37%. A inflação do mês medida pelo IGP-M ficou em -1%. Na composição relativa do Custo Unitário Básico (CUB) médio Brasil, o CUB mão-de-obra correspondeu a R$ 341,82 por m², implicando numa variação de 1,95%. Todas as cinco regiões contribuíram para esta alta no mercado de trabalho da construção. As localidades onde o CUB mão-de-obra subiu mais significativamente foram: Rondônia (14,69%); Alagoas (11,56%); Goiás (7,44%); Rio Grande do Sul (7,36%); Santa Catarina (2,25%); São Paulo (1,97%) e Espírito Santo (0,81%). A CBIC explica que quase todas a s localidades têm o mês da data-base maio ou junho, o que justifica os significativos incrementos no valor dos salários das categorias que compõem o CUB. O CUB materiais, na média Brasil, variou 0,61%, correspondendo a R$ 351,31 por m² de construção. Alguns estados apresentaram altas mais significativas no mercado de insumos básicos, entre eles a Bahia (2,05%); Paraíba (1,77%); Goiás (1,46%); Amazonas (1, 55%); Maranhão (1,27%); Mato Grosso (1,08%) e Rio de Janeiro (0,96%). Em Alagoas ocorreu deflação neste mercado (-4,79%). As altas nominais mais significativas no valor do custo global de construção, em junho, ocorreram em Rondônia (6,11%); Goiás (4,46%); Rio Grande do Sul (3,08%); Alagoas (2,15%); São Paulo (1,38%) e Santa Catarina (1,33%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.