Custo de dívida de 6 meses da Itália fica perto de 3% em leilão

Os custos de empréstimos de seis meses da Itália subiram para 2,957 por cento em um leilão na quarta-feira, nível mais alto desde dezembro, ampliando a pressão sobre o governo conforme ele busca, em uma cúpula da União Europeia nesta semana, medidas concretas para aliviar as tensões no mercado.

REUTERS

27 de junho de 2012 | 07h41

Há um mês a Itália pagou 2,1 por cento para vender papéis de seis meses. A venda de 9 bilhões de euros em títulos nesta quarta-feira aconteceu antes de uma oferta de papéis de cinco e dez anos na quinta-feira, para até 5,5 bilhões de euros.

A relação oferta e demanda foi de 1,6 vez, em linha com o que foi visto há um mês.

Na terça-feira, a Espanha pagou 3,24 por cento para vender títulos de seis meses. A Itália viu seus custos de empréstimos de dois anos subirem para 4,71 por cento.

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, prometeu na terça-feira pressionar por uma ação conjunta dos países da UE para ajudar a aliviar a pressão sobre os títulos italianos, arriscando um desentendimento com a Alemanha, que se recusa a dividir o peso da dívida de outros países.

(Reportagem de Valentina Za)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROTITULOITALIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.