finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Custo de vida aumenta 7,21% em 2000

Em 2000, o índice do custo de vida calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (DIEESE) no município de São Paulo acumulou uma taxa de 7,21%, variação 2,36 pontos percentuais inferior à apurada em 1999, que foi de 9,57%. As despesas com transportes foram as que mais subiram, 16,04% em relação a 1999. A elevação verificada principalmente com relação ao transporte individual, deve-se às altas do combustível durante o ano.A segunda maior elevação ficou por conta dos itens de saúde, que apresentaram aumento de 9,65%. A assistência médica subiu 12,06%, bem mais que os medicamentos e produtos farmacêuticos, que subiram 3,45%. Em seguida vêm os itens de educação e leitura, que subiram 7,28%. Como as altas mais significativas ocorridas em 2000 foram verificadas em itens que têm peso maior para quem tem maior poder aquisitivo - caso do transporte individual e das despesas com seguro saúde - as famílias com maior nível de rendimento englobadas no estrato 3 (renda média de R$ 2.792,90) foram as mais penalizadas pelo aumento dos preços ocorridos no ano, com a taxa acumulada atingindo 7,70%.

Agencia Estado,

05 de janeiro de 2001 | 09h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.