Custo de vida da classe média em SP sobe 0,25% em setembro

A inflação de setembro pelo Índice do Custo de Vida da Classe Média (ICVM) na capital paulista fechou em 0,25%. Calculada pela Ordem dos Economistas de São Paulo com base nos estratos de renda entre 10 e 40 salários mínimos, o ICVM passou no mês passado por uma desaceleração de 0,83 ponto porcentual na comparação com a alta de 1,08% apurada em agosto.O grupo Alimentação, com deflação de 0,16% ante uma alta de 1,34% em agosto, foi o maior responsável pela menor taxa de variação do ICVM em setembro. Enquanto o açúcar subiu 10,66%; as frutas, 3,76%, e a carne suína, 5,03%, os legumes caíram 13,41%; as verduras, 10,13%, e o leite longa vida, 5,27%.No mês passado, a maior pressão de alta no ICVM veio do grupo Vestuário, com elevação de 0,71% e uma aceleração de 0,51 ponto porcentual sobre a variação de 0,20% apurada em agosto. As roupas femininas foram reajustadas em 1,24% em setembro e os calçados masculinos, com aumentos de 1,92%.Recuo de preçosO grupo Habitação, com alta média de 0,51% em setembro, havia registrado em agosto uma taxa de 1,44%. A desaceleração de 0,93 ponto porcentual em relação a agosto foi determinada pela menor pressão da tarifa de energia elétrica, que desacelerou de 9,55% para 1,61% no mês passado. Além disso, a tarifa de telefonia, que havia subido 5,23% em agosto, em setembro nem apareceu na composição do ICVM. A Ordem dos Economistas apurou também uma taxa menor no grupo Transportes em setembro, de 0,32% ante uma variação de 1,80% em agosto. Os principais aumentos dentro deste grupo em setembro ficaram por conta do óleo lubrificante (1,96%) e do álcool combustível (0,82%). O preço dos transportes urbanos, segundo os economistas da Ordem, sofreu uma ligeira queda de 0,04%.As despesas com itens do grupo Saúde, que em agosto chegaram a 0,60%, fecharam no mês passado em 0,27%. Os preços dos serviços médicos aumentaram 0,50% e os remédios caíram 0,36%. Os gastos com educação ficaram praticamente estáveis, em 0,08% ante uma alta de 0,14% em agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.