Custo de vida do paulistano registra queda de 0,59% em junho

O custo de vida das famílias paulistanas com renda de 10 a 40 salários mínimos caiu em junho 0,59%, segundo a média das variações dos preços no varejo apurada pelo Índice do Custo de Vida da Classe Média (ICVM) da Ordem dos Economistas de São Paulo. Em maio, o custo de vida na cidade de São Paulo havia apresentado uma variação positiva de 0,14%. Com a deflação de junho, o ICVM passou a acumular no ano alta de 4,63%. No acumulado de 12 meses, encerrados em junho, o custo de vida do paulistano já subiu 14,54%. Alimentação e transportes puxam queda A exemplo do que vem sendo apresentado por outros indicadores de inflação, a queda do ICVM também foi provocada pelas variações negativas dos grupos Alimentação (-1,41%) e Transportes (-2,99%). No grupo Alimentação, as maiores quedas foram verificadas nos preços dos legumes (-16,60%), cebola (-13,31%), batata (-11,98%), verduras (-7,24%), feijão (-9,11%), frango (-6,55%), pescados (-5,74%) e frutas (-2,80%). O grupo Transportes foi influenciado pela redução de 16,01% no preço do álcool combustível e de 3,68% no preço da gasolina. Os preços dos transportes urbanos mantiveram-se inalterados. O grupo Vestuário subiu 1,32%, pressionado pelos preços das calças masculina (2,84%), agasalho feminino (2,61%), agasalho masculino (2,03%) e calçado feminino (1,95%). O grupo Saúde apresentou uma variação positiva de 0,88%, puxada pela alta de 1,44% nos preços dos serviços médicos. Já os preços dos remédios e produtos farmacêuticos caíram 0,66% e, no grupo Habitação, que registrou alta de 0,28%, o resultado foi puxado pelas variações nos preços da energia elétrica (2,74%), do gás encanado (4,74%) e dos serviços domésticos (1,36%). Também apresentaram alta os grupos Educação (0,17%) e Despesas Pessoais, com variação de 0,30%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.