Custo de Vida em SP deve recuar para 0,50% em agosto

Livre das pressões vindas dos reajustes das tarifas de energia elétrica e telefonia, o Índice do Custo de Vida (ICV), do Dieese, deverá fechar o mês de agosto em 0,50%, taxa 0,71 ponto porcentual abaixo da variação de 1,21% no mês passado. A previsão foi feita hoje pela coordenadora do ICV, Cornélia Nogueira Porto.Os novos preços cobrados pelos serviços de telefonia e energia foram os que mais contribuíram para a alta da inflação de julho, segundo o Dieese. O aumento da tarifa da energia elétrica captada no mês passado pelo ICV foi de 9,93% e o da telefonia, de 7,41%. Juntos eles deram uma contribuição de 0,59 ponto porcentual para a inflação cheia.Além do desaparecimento das pressões das tarifas sobre a inflação, Cornélia estima também uma contribuição menor da parte dos combustíveis para a inflação de agosto. Se for confirmada, a taxa de inflação projetada para este mês virá em linha com a meta estabelecida pelo Banco Central para o IPCA deste ano, de 5,5% com margem de 2,5 pontos porcentuais para baixo ou para cima."Para que a inflação do ano (ICV) feche dentro da meta, seria necessário uma inflação mensal nos próximos cinco meses da ordem de 0,62%", afirma Cornélia, que prevê 0,50% para agosto e 7% para o fechamento do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.