finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Custo pode inviabilizar ação contra IPVA

Os advogados entrevistados pela Agência Estado discordam da contestação judicial referente à vinculação dos débitos do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotivos (IPVA) e multas para o licenciamento do veículo. Em janeiro, o juiz da 9ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, Venicio Antonio Salles, concedeu liminar que garantiu a um motorista licenciar o seu carro sem pagar as multas e o IPVA. Há mais quatro decisões, em segunda instância, que garantiram o licenciamento do carro sem o motorista quitar a multa. Leia mais sobre esses casos no link abaixo.Para o tributarista Romualdo Galvão Dias, a chance de se obter sucesso em uma ação como essa é pequena e só deve ser feita nos casos em que os débitos ultrapassam R$ 2.000, devido às custas do processo. O constitucionalista Ives Gandra Martins acredita que as chances de o motorista ganhar são boas. Ele concorda com a decisão da liminar do juiz da 9a vara da Fazenda Pública, mas também lembra o motorista dos custos, já que o governo deve recorrer até a decisão chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF). Custo da ação é altoA Agência Estado apurou que há várias formas de negociar com o advogado o pagamento do mandado de segurança contra o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e a Secretaria da Fazenda. O reclamante pode acertar com o advogado um pagamento de R$ 500 a R$ 1.000 para entrar com o mandado de segurança, mais 10% do valor do valor da multa e do IPVA. Há também os que aceitam só os 10% do valor da multa e do IPVA, sendo 5% pagos para o advogado entrar com a causa e os 5% restantes no final da causa. Mas não é só isso. Há também as custas judiciais que nesse caso os advogados estimam em R$ 30 de despesas como protocolar uma intimação, por exemplo, mais 1% do valor da ação. Em mandado de segurança o custo judicial é estimado pelo advogado, que propõe o menor valor, como por exemplo, R$ 1.000. Por isso, o reclamante vai desembolsar os R$ 30 de despesas mais os 1% do valor da causa.De acordo com os advogados, nos mandados de segurança nem quem é questionado nem o autor das causas arcam com os custos judiciais depois da sentença. Ou seja: nesse caso se o reclamante ganhar a ação, o órgão que emitiu a multa não paga o advogado de quem o processou. Se o reclamante perder, ele também não tem de pagar os custos do processo. Os advogados informam que é uma decisão antiga do STF para mandado de segurança. Os advogados lembram também que se a pessoa perder a causa haverá cobrança de juros sobre o valor do IPVA. Já a multa é apenas atualizada pela Unidade Fiscal do Estado de São Paulo (Ufesp). Advogados discordam da liminar "Essa liminar deve ser logo cassada. Não há várias decisões judiciais nesse sentido. A Fazenda Pública deve recorrer com o argumento de que se as pessoas resolverem não pagar o IPVA pode haver uma grave lesão nos cofres públicos", avalia Dias. "Se há como contestar o pagamento da multa e do IPVA pela constituição há como contra argumentar que é uma lei federal que vincula os pagamentos ao licenciamento", complementa.Martins discorda. "O juiz deu a decisão correta". E explica: "Desde a época da ditadura do ex-presidente Getúlio Vargas, em 1941, o STF decide que as pessoas que devem para o governo não podem sofrer sanções, como por exemplo deixar de prestar serviços." Por isso, segundo Martins, o licenciamento tem de ser feito independentemente do débito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.