Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Custos industriais têm alta de 0,8% no 1º trimestre

Escalada do dólar deixou insumos importados mais caros para o setor, que também foi afetado pelo reajuste nos preços da energia elétrica

Sandra Manfrini, O Estado de S. Paulo

10 de junho de 2015 | 14h24

BRASÍLIA - O indicador de Custos Industriais cresceu 0,8% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o último trimestre de 2014. A pesquisa, divulgada nesta quarta-feira, 18, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que a valorização do dólar em relação ao real encareceu os insumos importados e foi determinante para a alta dos custos. 

Outros componentes também contribuíram para a alta do custo industrial, como o custo com energia, que subiu 8,7% nos primeiros três meses deste ano frente ao último trimestre de 2014. "Apesar de elevado, o aumento do custo com energia foi menos significativo devido ao seu baixo peso na composição do custo industrial", afirma o estudo da CNI.

A pesquisa revela ainda que o aumento do Indicador de Custos Industriais (ICI) teria sido muito maior, quase o dobro, se não fosse a queda do custo tributário, que caiu 3,3% no período. Já o custo com capital de giro subiu 6% e de produção aumentou 1,8% na mesma base de comparação. Esses são os três componentes do ICI. O custo de produção é calculado a partir da evolução dos custos de energia, pessoal e bens intermediários. 

O custo com pessoal subiu 1,9% no período. O custo de bens intermediários aumentou 1,4% no primeiro trimestre do ano, impulsionado pela elevação de 8,2% nos custos com produtos intermediários importados. O câmbio foi responsável pela alta de 5,6% no preços dos produtos industrializados importados. 

No mesmo período, os preços dos produtos industrializados no mercado interno subiram 1,5%, o que permitiu a recomposição das margens de lucro das empresas, de acordo com a pesquisa. "Como os custos industriais cresceram 0,8%, os produtos manufaturados brasileiros se tornaram mais competitivos", avalia o documento da CNI. 

Tudo o que sabemos sobre:
Indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.