Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

CUT e setor de fundição abrem campanha salarial

A Federação dos Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e representantes da indústria de fundição iniciam hoje, na sede da federação, as negociações em torno da campanha salarial da categoria em 2003. As principais reivindicações dos 260 mil metalúrgicos da CUT no Estado são reposição integral das perdas salariais e aumento real, com reajuste de 20%, redução da jornada de trabalho em 10%, piso salarial unificado e liberdade de organização sindical nas fábricas (comissões e delegados sindicais) e mudança da data-base de 1º de novembro para 1º de setembro.Embora tenham acertado com a Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo, ligada à Força Sindical, a participação na Campanha Salarial Unificada, com a formação de uma bancada única de negociação, os metalúrgicos da CUT negociarão hoje isoladamente porque já entregaram sua pauta de reivindicações em agosto, antes do acerto da Campanha Unificada.A expectativa da Federação dos Metalúrgicos da CUT é de que o encontro de hoje apenas abra as negociações da campanha salarial, mas os representantes dos empregados não esperam nenhuma contraproposta do setor patronal já nesse primeiro encontro.Amanhã, na parte da manhã, a Federação começa a discutir a campanha salarial com o Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) e representantes das indústrias de parafusos e forjaria. Na parte da tarde, o encontro será com as indústrias de máquinas e de eletroeletrônicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.