Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

CUT elabora projetos para melhorar renda e gerar emprego

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) está trabalhando em duas propostas visando a melhoria dos níveis de distribuição de renda e de emprego no País que serão apresentadas em breve ao governo federal, informou hoje o presidente da CUT-SP , Edílson de Paula Oliveira. Segundo ele, a central sindical, que é ligada historicamente ao PT, deverá apresentar ao governo, em até dez dias, um plano para a recuperação do valor do salário mínimo para os próximos vinte anos.A CUT também tem um plano para a criação de frentes de trabalho nos grandes centros do País que poderiam abrir, de forma emergencial, até dois milhões de postos de trabalho, de acordo com Oliveira."A sociedade tem de criar alternativas para resolver o problema do emprego. Não podemos ficar esperando tudo do governo", disse hoje Oliveira, durante um evento realizado hoje na Praça Campo de Bagatelle, na Zona Norte da capital paulista, que faz parte das comemorações do 1º de Maio, Dia Internacional do Trabalho.O sindicalista disse que o plano de recuperação permitirá que o salário mínimo recupere, em vinte anos, "o valor que deveria ter". Oliveira lembrou que os cálculos do Dieese dão conta de que o salário mínimo, que vem sofrendo um processo contínuo de corr osão do seu poder de compra desde a sua criação, deveria ter atualmente um valor entre R$ 1.300,00 e R$ 1.400,00. Oliveira disse que a CUT defende uma elevação do salário mínimo, já nesse ano, para R$ 300,00. "Se esse valor for aprovado, teremos um aumento real do salário, nos dois primeiros anos do governo Lula, de 19% reais", calculou o presidente da CUT-SP. "Esse aumento já seria um primeiro passo para o plano de recuperação do salário mínimo que iremos propor", acrescentou Oliveira, destacando ainda que esse aumento induziria uma recuperação do poder de compra de várias categorias profissionais cujos proventos estão vinculados aos salários mínimos, contribuindo para aquecer a economia.

Agencia Estado,

04 de abril de 2004 | 14h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.