CUT está descontente com o novo acordo com o FMI

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, disse estar insatisfeito com o novo acordo que o governo federal firmou com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e sugeriu que se negocie uma "cláusula de carência" com o adiamento do pagamento de empréstimos ao Fundo por um ano.Segundo Marinho, com essa medida o governo teria condições para ampliar investimentos e gerar empregos com um resultado melhor do que a possibilidade de investimento em saneamento básico de R$2,9 bilhões no próximo ano acertada no novo acordo. "A cláusula do saneamento básico melhora as condições do acordo, mas ainda é insuficiente. O Brasil tem condições de fazer um acordo melhor", afirmou.O sindicalista participou hoje de assinatura com dez instituições financeiras que poderão realizar empréstimos com consignação em folha de pagamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.