CUT: Lula define proposta de salário mínimo em R$ 465

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique Silva, disse na noite de hoje que, na próxima quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará uma reunião com representantes dos bancos públicos e, possivelmente com algumas instituições privadas, para discutir o nível de juro e dos spreads bancários. Segundo ele, Lula deu a garantia aos sindicalistas de que, apesar do agravamento da crise, está mantido a política de concessão de aumento real ao salário mínimo. "Com isso, o salário mínimo deve chegar este ano a algo em torno de R$ 465", disse o presidente da CUT. O salário mínimo atualmente é de R$ 415. O presidente Lula confirmou aos dirigentes sindicais com os quais se reuniu hoje o Executivo está propondo ao Congresso um salário mínimo de R$ 465,00. Segundo participantes do encontro, Lula informou que convocará os governadores para conversar sobre a manutenção da redução do ICMS dos Estados por considerar importante essa medida para aumento do volume do capital de giro das empresas. De acordo com o relato, o presidente se mostrou muito preocupado com as perspectivas para a economia neste primeiro trimestre. Lula disse, por três vezes, que esse período é "muito delicado".De acordo com Arthur Henrique, o presidente Lula afirmou a ele e outros sindicalistas, com quem se reuniu nas últimas três horas, que o custo do crédito é a questão mais importante dos efeitos da crise financeira no Brasil. "O presidente Lula se mostrou muito sensível a essa necessidade de se reduzir os juros no Brasil", afirmou Artur Henrique. Por fim o sindicalista acrescentou que o presidente Lula deverá se reunir no início de fevereiro com prefeitos e governadores para discutir as ações que as administrações regionais poderiam adotar para manter o ritmo crescimento econômico.

ISABEL SOBRAL, LEONARDO GOY E TÂNIA MONTEIRO, Agencia Estado

19 de janeiro de 2009 | 21h25

Tudo o que sabemos sobre:
empregocentrais sindicaisLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.