CUT pede ajuda do governo para outros setores da economia

O presidente da CUT, Luiz Marinho, disse hoje, ao deixar o prédio do Ministério da Fazenda, que o acordo firmado ontem com o setor automotivo é um modelo que o governo deve adotar para socorrer outros setores da economia. Na opinião dele, a redução do IPI para os automóveis foi importante, mas insuficiente para a retomada do processo de crescimento da economia. "São necessárias outras ações do governo", afirmou.Segundo ele, cabe ao governo avaliar quais outros setores necessitam de ajuda. Marinho rechaçou avaliação de que trabalhadores e centrais sindicais serviram de massa de manobra da indústria automobilística para pressionar o governo a conceder o benefício. Para ele, essa é uma avaliação simplista e equivocada que não leva em conta a análise do conjunto do setor e da economia.Sobre o aumento em julho de 13,5% no licenciamento de veículos novos em relação ao junho, Marinho afirmou que é um erro analisar o desempenho de apenas um mês. Ele lembrou que a tendência é de um decréscimo do mercado interno da indústria automobilística desde 1997. O presidente da CUT também comentou que o aumento das exportações de carros não tem compensado a queda nas vendas no mercado interno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.