CUT pede diálogo entre governo e empresas para controlar inflação

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) defendeu hoje que o governo federal precisa buscar uma aproximação com o setor privado para discutir a criação de mecanismos de controle à inflação alternativos ao aumento dos juros. Ao defender medidas como a renegociação de contratos em setores com preços administrados e criticar a alta lucratividade do sistema bancário, Marinho afirmou que tem faltado coragem ao governo federal para levar adiante uma estratégia como essa. "Eu acho necessário que se coloquem outros ingredientes ligados aos sistemas financeiro, preços indexados e setores monopolizados. Está faltando coragem política do governo em travar uma negociação", afirmou. Marinho disse acreditar também que pelo menos parte do empresariado estaria disposta a participar da discussão. "Os empresários sérios desse País concordariam em fazer um debate como esse para criar as condições para um investimento em infra-estrutura". Marinho também voltou a pedir uma ampliação do Conselho Monetário Nacional (CMN) e criticou a direção do Banco Central, apesar de não ter feito referências diretas ao presidente da instituição, Henrique Meirelles. "A direção do Banco Central é, aparentemente, muito conservadora. Eu digo aparentemente pois nós não participamos do Conselho Monetário Nacional e não sabemos por que motivos o banco adota essas decisões constantes de aumento dos juros", afirmou o presidente da CUT. "Precisamos de outras visões lá para refletir diretrizes."

Agencia Estado,

13 Maio 2005 | 18h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.