Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

CUT pede mínimo de R$ 320 para 2005

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) anunciou nesta quinta-feira que reivindica um salário mínimo de R$ 320,00 para 2005. A entidade informou que vai solicitar uma audiência com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP), para que os poderes executivo e legislativo reservem recursos suficientes para a elevação do mínimo. "É inadmissível que o governo Lula não dê a atenção que o salário mínimo merece", protestou o presidente da CUT, Luiz Marinho, na nota oficial.Ele argumentou que o mínimo é o principal indicador de distribuição de renda do País. "A elevação do salário mínimo tem contribuição decisiva para o fortalecimento do mercado interno", sustentou. "Da mesma forma, a correção da tabela do IR (Imposto de Renda) também contribui para a elevação da renda", acrescentou.Segundo o comunicado da entidade, Marinho quer que as audiências com Sarney e Cunha ocorram no dia 15, quando chegará a Brasília a Marcha em Defesa do Salário Mínimo, que reunirá cerca de duas mil pessoas. A marcha, que terá a participação de trabalhadores, será iniciada no dia 13, em Luiziânia, Goiás, e rumará para o Distrito Federal.De acordo com a entidade, Marinho já tem audiências agendadas com os ministros da Fazenda, Antônio Palocci, no dia 8, e do Trabalho, Ricardo Berzoini, no dia 9, para tratar do aumento do mínimo e da correção da tabela do IR.

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2004 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.