CVC entra no setor de viagens corporativas

Empresa adquiriu o controle de três marcas com forte presença no segmento por R$ 228 milhões e tem opção de comprar o restante das ações

FERNANDO SCHELLER , NATALIA GÓMEZ, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2014 | 02h03

Depois de mais de 40 anos de atuação exclusiva no setor de viagens de turismo, a CVC vai entrar agora de vez na disputa pelo viajante corporativo. Ontem, a companhia - que tem o fundo de private equity americano Carlyle entre seus sócios - anunciou a compra do controle de um dos grupos líderes neste segmento, o Duotur, por R$ 228 milhões.

O negócio, que avaliou os ativos da Duotur - proprietário das marcas Rextour, Advance e Reserva Fácil Tecnologia - em R$ 447 milhões, prevê que a CVC, maior agência de turismo do País, possa ficar com a totalidade das ações. Entre os principais rivais da Duotur estão a Flytour e a Carson Wagonlift Travel (CWT).

Hoje, além de atender à rede própria de lojas, com mais de 700 unidades ao redor do País, o sistema de reservas da CVC também "alimenta" os pacotes de 6,5 mil pequenas agências independentes no País. As marcas da Duotur também trabalham com os agentes independentes, mas focadas no setor de viagens corporativas.

O grupo Duotur é relativamente recente e nasceu da união da Rextur e da Advance, em 2012. As conversas para a aquisição do grupo Duotur começaram ainda no primeiro semestre de 2014 e levaram cerca de seis meses para serem concretizadas.

Segundo apurou o Estado, a meta da CVC é ampliar o escopo das empresas que adquiriu. Atualmente, a Rextur e a Advance são mais fortes no setor de passagens, mas a ideia é ganhar relevância também em hotéis. O volume de reservas de passagens áreas da Rextur e da Advance somou R$ 3 bilhões no ano passado.

O principal executivo e diretor-presidente do Duotur, Marcelo Sanovicz, vai permanecer no cargo, de acordo com a CVC.

Avaliação. Ao avaliar o grupo todo em R$ 447 milhões, o preço a ser pago pela CVC considera um múltiplo em relação ao Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 5,6 vezes e 8,5 vezes sobre o lucro. Segundo comunicado divulgado ontem, o preço de aquisição está sujeito a um ajuste parcial com base no Ebitda efetivo para o ano de 2014 e dos 12 meses anteriores ao fechamento da transação.

O preço será pago em uma parcela de R$ 54 milhões na data do fechamento, e o saldo remanescente será pago em seis parcelas iguais, sucessivas e anuais de R$ 29 milhões, corrigidas pela variação do CDI. O fechamento do negócio depende da aprovação da transação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Em relação à aquisição dos 49% restantes do grupo Duotur, o fato relevante da CVC informa que a opção poderá ser exercida entre 2015 e 2017. O contrato também prevê uma opção de venda, condicionada a metas financeiras, a ser exercida a partir de 2018.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. PauloCVC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.