CVM e MP combaterão juntos prática lesiva ao mercado

Depois de atuarem em parceria nas investigações sobre o uso de informação privilegiada durante a venda do controle do grupo Ipiranga e da Suzano Petroquímica no ano passado, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Ministério Público (MP) vão assinar um acordo formal de cooperação. O acordo prevê medidas para a prevenção, a apuração e o combate a práticas que sejam prejudiciais ao funcionamento do mercado. A CVM informou que também estão previstas iniciativas comuns de cunho técnico e educacional. A assinatura do termo de cooperação técnica será amanhã, em Brasília. A parceira entre a CVM e o Ministério Público permitiu o bloqueio de operações consideradas suspeitas pela autarquia com ações do grupo Ipiranga e Suzano Petrobras no período próximo a venda de seus controles. As investigações do caso Suzano já renderam a assinatura de um termo de compromisso com a Vailly, empresa estrangeira suspeita de ter usado informação privilegiada. Para encerrar os processos de investigações na CVM e na Justiça, a companhia aceitou pagar cerca de R$ 2,2 milhões. O valor corresponde aos ganhos obtidos pela Vailly com a negociação dos papéis (R$ 551 mil) acrescido de R$ 1,6 milhão, quantia que equivale a penalidade máxima que a CVM poderia impor para esse tipo de irregularidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.