CVM encerrará processo que envolve Pactual e M.Lynch sobre Centrus

O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aceitou as propostas elaboradas por acusados em processos administrativos relativos a operações envolvendo a Fundação Banco Central de Previdência Privada - Centrus. Após o cumprimento das obrigações por eles assumidas, os processos ficarão suspensos. Os acusados em questão eram do Banco Pactual, Merrill Lynch, Fator e Opportunity.

Agência Estado,

23 de março de 2010 | 13h02

 

No caso do Pactual, Marcelo Serfaty, na ocasião diretor responsável pela administração de carteira de terceiros, e Patrick James O'Grady, responsável pela estruturação e execução das operações, pagarão um total de R$ 200 mil. Por sua vez, Gilberto Sayão, que era diretor responsável pela administração da carteira própria do Banco Pactual, propôs pagar à CVM R$ 50 mil. Eles eram acusados de participar de parte das 217 operações investigadas pela CVM (processo nº 16/2005), de 1997 a 2001, que envolveram a Fundação Banco Central de Previdência Privada - Centrus, "nas quais teria ficado configurada a ocorrência de práticas não-eqüitativas, de operações fraudulentas e de criação de condições artificiais de demanda, oferta e preço de valores mobiliários".

 

Da parte do Merrill Lynch, em semelhante acusação relativa ao Centrus no período investigado, a Merrill Lynch Participações Financeiras e Serviços Ltda (investidora), Merrill Lynch S.A. CTVM e o profissional Alexandre Koch Torres de Assis, na qualidade de diretor responsável pelas operações em bolsa da corretora, apresentaram proposta de pagamento à CVM no valor de R$ 150 mil.

 

As acusações também recaem sobre a corretora Fator (Fator Dória & Atherino S.A. CV), e o então diretor responsável pelas operações em bolsa, Armênio dos Santos Gaspar Neto, que propuseram pagar à CVM "o equivalente a 20% dos ganhos atualizados pelo IPCA obtidos por comitente que atuara por intermédio da corretora, totalizando R$ 703.301,86."

 

Já Opportunity Institucional FMIA - Carteira Livre; Opportunity DTVM e seu diretor Itamar Benigno Filho; e Opportunity Asset Management e sua diretora Verônica Valente Dantas pagarão R$ 200 mil.

 

As decisões para extinguir o Processo Administrativo Sancionador CVM nº 16/2005 foram tomadas na reunião do colegiado em 9 de fevereiro, conforme comunicado divulgado hoje.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.