CVM faz ressalvas a fundo

Em dezembro de 2009, o governo abriu a possibilidade de os trabalhadores destinarem até 30% de seus recursos acumulados no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para o FI-FGTS. Gerido pela Caixa, o fundo foi autorizado a fazer uma primeira oferta pública de R$ 2 bilhões por meio de um Fundo de Investimento em Cotas (FIC) do FI-FGTS. Mais de três anos depois, o FIC ainda não foi aprovado pela CVM.

RIO, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2013 | 02h11

O Relatório de Gestão 2012 do FI-FGTS explicita que há ressalvas da CVM. Uma reunião em janeiro discutiu a liberação recomendando "a proteção dos direitos dos eventuais cotistas do FIC diante da preocupação da CVM com a estrutura do FIC". A CVM diz que "assim que as principais questões que inviabilizam o produto forem resolvidas, adotará todas as demais providências".

Para o presidente do Instituto FGTS Fácil, Mário Avelino, o fato de a CVM ainda não ter aprovado a oferta aos trabalhadores sugere que não é bom negócio. Segundo ele, há dúvidas sobre a qualidade dos projetos e das empresas financiados pelo fundo. / M.D. e V.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.