CVM intensifica investigação em auditorias

A desconfiança dos investidores em relação aos dados contábeis de empresas ganha agora mais um agravante. No Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vem apurando fraudes em empresas de auditorias. Só no período de 2000 a 2002, dos 74 inquéritos julgados pela autarquia, nove foram contra essas empresas e seus proprietários. De acordo com o gerente de normas de auditoria da CVM, Ronaldo Cândido, tais inquéritos são resultado de um processo de acompanhamento do trabalho de auditorias independentes. "Quando percebemos deficiência no trabalho dos auditores, ou seja, quando os passos de uma apuração rigorosa nos números de uma empresa não são verificados corretamente, pedimos esclarecimentos examinamos e aprofundamos as investigações", explica Cândido. Trabalho dos auditoresPara começar a atuar nesse mercado, o auditor precisa ser registrado junto à CVM e passar por exames de qualificação continuamente. O gerente da autarquia esclarece que o trabalho desses profissionais deve ser feito de acordo com a legislação vigente, a instrução nº 308 da autarquia, de 14 de maio de 1999. Segundo ele, o auditor independente deve documentar o seu trabalho, anotando todas as considerações para cada item do balanço, de acordo com procedimentos específicos. Se a CVM percebe falhas ou ausência de informações nesse relatório, é proposto um inquérito administrativo e todas as informações sobre esse processo ficam disponíveis no site da CVM.Cândido também explica que a autarquia pode e deve punir fraudes praticadas por auditores independentes. Caso seja constatado algum problema, a CVM pode advertir, multar, suspender o registro do auditor ou cancelá-lo. Veja nos links abaixo mais informações sobre o assunto no site da CVM e a avaliação da Associação Brasileira dos Analistas de Mercado de Capitais (Abamec) sobre a influência negativa dessas fraudes para o mercado de capitais. Veja também o que o investidor em ações deve fazer para verificar a auditoria da empresa em que está investindo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.