CVM investiga uso de pesquisa eleitoral pelo mercado

As especulações com pesquisas eleitorais, que têm provocado estragos no mercado financeiro, entraram na mira de órgãos reguladores como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O presidente da autarquia, José Luiz Osorio, confirmou nesta quarta-feira que a área técnica investiga se bancos ou corretoras estão manipulando o mercado com base no conteúdo dessas pesquisas. A CVM já solicitou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) detalhes sobre algumas pesquisas e pretende cruzar os dados para identificar se há ou não manipulação de preços com essas informações.A grande dúvida hoje na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é determinar se a compra de uma pesquisa e o uso de suas informações antes da divulgação do resultado pode ou não ser interpretada como "inside information" (informação privilegiada). Se essa for a interpretação dada ao problema, os envolvidos estariam sujeitos às penalidades estabelecidas pelo órgão para tal prática. Órgãos como a CVM e o Banco Central (BC) têm recebido uma série de reclamações sobre o uso dessas pesquisas. Fontes no mercado afirmam que bancos ou corretoras vêm comprando as pesquisas, operando e só após dois ou três dias divulgam o resultado do sobe-e-desce na corrida presidencial. Entretanto, nesse meio tempo, boatos sobre o estudo começam a rondar as mesas de operações e, segundo as fontes, vindos da própria instituição que comprou a pesquisa. No mercado comenta-se que cerca de cinco instituições, algumas delas estrangeiras, teriam se beneficiado de pesquisas. A fiscalização sobre o uso de informação privilegiada (inside) é um dos maiores problemas da CVM. A maior parte das investigações esbarra na falta de evidências que possa identificar essa prática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.