CVM multa controladora da Lojas Renner

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu multar a JC Penney, controladora da Lojas Renner, em R$ 500 mil. Ontem, a autarquia realizou o julgamento do inquérito administrativo que apurou irregularidades na negociação de ações da empresa. As multas aplicadas somam R$ 850 mil. O diretor da JC Penney Brasil, Joni Emilio Kurgan, também foi penalizado pela autarquia com multa R$ 50 mil. O banco de investimentos Credit Suisse First Boston Garantia (CSFB Garantia), por sua vez, foi multado em R$ 250 mil e o seu diretor em R$ 50 mil.A companhia ainda pode recorrer da decisão do colegiado ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, o "conselhinho". A CVM considerou ilegais as negociações com ações de emissão da Lojas Renner efetuadas em dezembro de 1998. Na época, a JC Penney se propôs a adquirir as ações da Renner em mercado, ao preço de R$ 25,00, até o limite de 70% dos papéis preferenciais (PN, sem direito a voto).No entanto, após cerca de 15 dias, a compradora adquiriu na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) quase que o restante das ações em circulação por um preço superior à proposta inicial, de R$ 37,61, sobrando apenas 1% com os minoritários. De acordo com o colegiado da CVM, a prática da JC Penney violou os princípios da Instrução no. 08, pois induziu o investidor ao erro. Isto porque constava no primeiro edital um preço inferior ao praticado posteriormente. Além disso, a empresa tinha se comprometido a manter-se como companhia aberta, o que não ocorreu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.