CVM multa envolvidos em esquema de manipulação

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) multou em cerca de US$ 890 mil os envolvidos em um esquema de manipulação em bolsa de valores entre 1992 e 1993. As corretoras Socopa e Novinvest, que intermediaram as operações, foram absolvidas, mas o operador Sérgio Carlos de Godoy Hidalgo, foi multado em US$ 591 mil. Ele foi considerado cérebro de um esquema especializado em ganhar dinheiro com manipulações envolvendo carteiras de ações de fundos de pensão de empresas estatais.As investigações da autarquia comprovaram a irregularidade das operações feitas com conhecimento prévio dos envolvidos. O julgamento foi baseado também no fato de todas as operações terem sido realizadas pelo mesmo participante, Sérgio Carlos Godoy Hidalgo, com freqüência e sempre com papéis de baixa liquidez. Além disso, o inquérito mostrou que os investidores institucionais eram perdedores em todas as operações analisadas.A multa de Hidalgo representa 30% do valor total das operações realizadas pelo seu grupo de clientes no período. A CVM multou ainda Reginaldo Alves dos Santos, assessor de Hidalgo, em US$ 295,5 mil. João Carlos Paim Vieira foi multado em cerca de US$ 22,5 mil por operações irregulares em seu nome, assim como Jorge Nabih Kulaif penalizado em US$ 53,1 mil; Cecília Pontes, em U$ 270 mil; Paulo Alexandre Moes, em US$ 16,8 mil; e Alceu Ferreira Mozer, em cerca de US$ 99 mil. As companhias BMA Empreendimentos Imobiliários Ltda. e Caritas Administração e Participações Ltda. também foram multadas em U$ 104,4 mil e 25,2 mil, respectivamente, por operações irregulares feitas em seus nomes. A CVM também puniu Sérgio Hidalgo e sua empresa Santa Clara Corretora de Mercadorias, cada uma no valor de R$ 3.681,79 por administração de carteira sem a devida autorização da autarquia. Por fim, o órgão penalizou ainda Paulo Del Giudice Júnior por realização de práticas não eqüitativas no mesmo valor (R$ 3.681,79).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.