CVM oficializa suspensão do movimento em fundos do Banco Santos

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspendeu hoje por 30 dias a movimentação nos fundos de investimento do Banco Santos. A instituição está sob intervenção do Banco Central desde sexta-feira. A autarquia atendeu a solicitação do interventor no Santos indicado pelo BC, Vânio Cesar Pickler Aguiar. O executivo tem prazo de 15 dias para informar à CVM as conclusões iniciais relativas à situação dos fundos e os procedimentos a serem adotados pelo interventor.O superintendente de Relações Institucionais da autarquia, Carlos Sussekind, explicou que a intenção é evitar que os primeiros cotistas a sacarem seus recursos saiam beneficiados e os últimos acumulem os maiores prejuízos. Por isso, durante o período em que saques e resgates estiverem suspensos, o interventor irá analisar se a carteira de ativos que compõem os fundos está precificada corretamente.Na opinião de Sussekind, o prazo dessa análise pode ser até inferior aos 30 dias previstos inicialmente. O maior problema está nos fundos com mais de um cotista e com aplicações mais arriscadas, como o fundo Credit Yield. Boa parte dos ativos dos fundos está em operações de crédito para empresas feitas pelo banco e compradas pelo fundo na forma de Cédulas de Crédito Bancário (CCB), título comprado de uma pessoa física ou jurídica sem a garantia de uma instituição financeira.InvestigaçãoA CVM já investigava os fundos administrados pelo Banco Santos há dois meses. Sussekind informou que a área técnica deve entregar até o final do mês um relatório sobre as atividades da instituição. Se ficar comprovado que havia irregularidades na gestão dos fundos, a CVM pode abrir um inquérito para apurar mais profundamente o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.