CVM pede explicações ao Itaú sobre rumores de compra do Boston

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pediu hoje esclarecimentos ao Banco Itaú sobre os rumores de que a instituição estaria em negociações para aquisição do BankBoston Brasil. Os boatos sobre consolidação no setor bancário brasileiro ganharam força na última quinta-feira, dia 20, e movimentaram os papéis na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Especula-se que a operação do Itaú com o Boston já estaria fechada e sairia por cerca de R$ 2,5 bilhões, o que corresponde a 2,8 vezes o patrimônio do Boston, de R$ 907 milhões. Todo o segmento de ações do mercado financeiro subiu na Bolsa no dia 20. As ações ordinárias (ON, com direito a voto) do Banco do Brasil avançaram 4%, as preferenciais (PN, sem direito a voto) do Bradesco subiram 3,14%, Unibanco unit teve ganho de 1,6% e os papéis PN do Itaú, ao contrário, recuaram 0,93%. No mercado, espera-se uma solução para o Boston no Brasil desde que o Bank of America comprou, em abril de 2004, os ativos globais do FleetBoston. O Bank of America já havia se retirado do País e somente voltou a ter participação no cenário doméstico devido à compra do Fleet. Por isso, a expectativa era que mais cedo ou mais tarde o banco venderia o BankBoston Brasil. O preço estimado de 2,8 vezes o patrimônio está em linha com o valor de operações de porte do setor bancário brasileiro. O Boston é considerado um banco atrativo por ter uma base de clientes de alta renda, que consome diversos produtos bancários e é visada pelas instituições financeiras concorrentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.