CVM ratifica multa a empresário envolvido na venda da Bombril

O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional - órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda - ratificou hoje a multa de R$ 62,5 milhões aplicada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ao empresários italiano Sergio Cragnotti. Essa é a maior multa individual já aplicada pela autarquia.O conselhinho, como é chamado, ratificou ainda as multas aplicadas a mais sete envolvidos no processo, porém reduziu de R$ 50 mil para R$ 25 mil a multa aplicada a Fernando dos Santos Ferreira e Luiz Carlos Andrezzani e passou para advertência a penalidade imposta a Francisco Barbosa Ribeirinho.AcusaçãoO empresário italiano e os ex-administradores do grupo Cirio-Bombril foram acusados de provocar prejuízos aos acionistas minoritários e de divulgar informações inconsistentes para o mercado durante a compra da Bombril pelo grupo italiano Cragnotti, detentor da marca Cirio.Segundo o presidente do conselhinho, Bolivar Tarragó Moura Neto, a Bombril foi usada como caixa do grupo Cragnotti. No relatório foi mostrado que a transformação da Bombril em uma empresa multinacional resultou em um rombo de R$ 170 milhões.Após a decisão do conselhinho a CVM irá intimar a cobrança da multa ao empresário italiano que hoje está em prisão domiciliar na Itália enquanto responde processo criminal naquele país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.