CVM suspende oferta da Odebrecht

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu suspender a oferta pública da Odebrecht. O leilão, que visava ao fechamento de capital da companhia, estava marcado para hoje. Segundo a Comissão, a continuidade da operação agora está condicionada ao esclarecimento de alguns fatos relacionados à Odebrecht. Um deles é o descruzamento (separação) de participações com a Unipar, anunciado no último dia 23.Segundo o diretor da CVM, Wladimir Castelo Branco, a empresa não esclareceu suficientemente a repercussão da separação dos patrimônios das duas empresas e suas repercussões no patrimônio da Odebrecht. Segundo ele, essas informações são fundamentais para que o investidor possa avaliar o preço oferecido na oferta. O diretor informou ainda que o leilão só poderá ser realizado quando a Odebrecht prestar todos os esclarecimentos solicitados pela CVM.A suspensão do leilão havia sido solicitada pela Associação Nacional de Investidores do Mercado de Capitais (Animec). Os acionistas minoritários estão descontentes com o valor oferecido pela empresa na oferta, de R$ 5,20 por lote de mil, que corresponde a 40% do valor patrimonial.Unipar lançará no mercado ações ON devolvidas por OdebrechtCaso o descruzamento de ações entre os grupos Unipar e Odebrecht anunciado esta semana seja consolidado, a Unipar receberá da organização baiana os 38,76% de ações ordinárias - ON com direito a voto - que detém no grupo paulista. As ações deverão transitar pela Unipar, que depois as lançará no mercado, informou um executivo envolvido nas negociações de troca de participações entre as duas companhias. O resultado da operação será definido dentro de 60 a 90 dias. A Unipar vai se desfazer dos 31,47% que detém na OPP Polietilenos, que possui unidades petroquímicas no Sul, Sudeste e Nordeste. Por conta do descruzamento, a fábrica paulista da OPP Polietilenos ficará com a Unipar, que passará controlar 100% da fábrica com capacidade instalada para a produção de 120 mil t/ano.No processo de cisão da OPP Polietilenos, primeiro passo do descruzamento das ações, as companhias terão idéia do valor dos ativos e, a partir daí, poderá ser calculado o deságio da operação. Fontes do setor petroquímico afirmam que a Odebrecht deverá se concentrar apenas no Sul do País, caso a Copesul (27,5% da Odebrecht) não consiga adquirir o controle da Copene - que deverá ser leiloado em setembro.Veja a seguir matéria sobre pretensão da Odebrecht em retomar o leilão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.