JF DIorio/Estadão - 29/10/2014
JF DIorio/Estadão - 29/10/2014

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

CVM tem 13 procedimentos instaurados contra empresas dos irmãos Batista

Processos tratam de temas tão diversos quanto suspeitas de influência no conselho de administração da BRF, ou o uso de aeronave da companhia por Joesley Batista

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2018 | 19h28

RIO - Um Comunicado ao mercado divulgado nesta quinta-feira, 9, pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) mostra que existem 13 procedimentos instaurados contra empresas do grupo JBS, seus controladores, alguns de seus conselheiros e executivos, e até fornecedores.

Os processos tratam de temas tão diversos quanto suspeitas de influência no conselho de administração da BRF, empresa com a qual concorrem em alguns segmentos, ou o uso de aeronave da companhia por Joesley Batista. Todos decorrem de informações que vieram à tona com as apurações iniciadas após se tornar pública a gravação da conversa de Joesley com o presidente Michel Temer e a delação premiada dos irmãos Batista, em maio de 2017.

Entre os oito processos administrativos ainda abertos, dois parecem estar praticamente finalizados. Eles tratam das negociações com ações próprias e da compra de contratos de derivativo de câmbio, temas que já são objeto de processos sancionadores. 

Mas há procedimentos que podem resultar em nova sanções, como a apuração da conduta dos administradores e conselheiros em relação aos fatos que os levaram a firmar o acordo de delação premiada, ou seja, sua relação com agentes do governo.

As apurações também extrapolam as empresas do grupo. A BDO RCS Auditores Independentes passou por uma inspeção para apurar os procedimentos adotados em relação às demonstrações financeiras da JBS S.A. entre 2013 e 2016. A inspeção já foi realizada pela Superintendência de Fiscalização Externa (SFI) e está em análise pela Gerência de Normas de Auditoria.

Procurada, a JBS informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não fará comentários sobre processos específicos. A empresa diz estar "à disposição da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para quaisquer informações e esclarecimentos que se façam necessários em linha com as melhores práticas de governança e observando o interesse de seus acionistas e demais stakeholders".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.