Cyrela compra a Agra por R$ 1,5 bi

Operação, toda em troca de ações, dá à Cyrela maior capacidade de expansão na Região Nordeste

Chiara Quintão, O Estadao de S.Paulo

24 de junho de 2008 | 00h00

A esperada consolidação das empresas do setor imobiliário listadas na Bovespa teve início efetivamente ontem, com o anúncio da compra da Agra Empreendimentos Imobiliários pela Cyrela Brazil Realty. O negócio, todo em troca de ações, chega a R$ 1,5 bilhão. "A Cyrela vai se destacar ainda mais como a maior empresa do setor (no Brasil), com maior banco de terrenos, maior número de lançamentos e valor de mercado", disse o diretor de Relações com Investidores da Cyrela, Luis Largman.O executivo classificou o banco de terrenos da Agra como complementar ao da Cyrela e elogiou a direção da companhia que está sendo comprada. "O management da Agra é muito bom. Vamos aproveitá-lo da melhor forma possível", disse. O presidente da Agra, Luiz Roberto Horst Silveira Pinto, disse que continuará na nova empresa, mas não revelou que cargo ocupará. Juntos, os bancos de terrenos da Cyrela e da Agra correspondem a um potencial de vendas de imóveis - ou valor global de vendas (VGV), no jargão do setor - de mais de R$ 30 bilhões. A diversificação do banco de terrenos da Cyrela com a compra da Agra é vista como um dos principais ganhos da aquisição para a maior empresa do setor. Enquanto o banco de terrenos da Cyrela é mais concentrado no Sudeste, o da Agra tem forte participação no Nordeste, principalmente em Salvador. É justamente o Nordeste a região que tem apresentado as maiores taxas de crescimento, destacam analistas. Questionado sobre o porquê da venda da Agra, já que a empresa não tem problemas de caixa, o presidente da companhia disse que a melhor incorporação é aquela realizada entre duas empresas saudáveis. "Existe uma sinergia enorme entre as duas empresas", disse Horst. Ele lembrou que a Cyrela terá volume adicional de construção, pois a Agra é apenas incorporadora, e citou que as ações da Cyrela que serão recebidas pelos acionistas da companhia têm enorme potencial. Haverá também ganhos de escala das companhias em relação aos fornecedores.OPERAÇÃOA Cyrela pagará 0,425 ação sua para cada ação da Agra. Considerando que o papel ON da Cyrela fechou a R$ 22,45 na sexta-feira, a parcela de 0,425 corresponde a R$ 9,54 por ação. Se os R$ 9,54 forem multiplicados pela totalidade de ações da Agra, chega-se ao valor de R$ 1,536 bilhão, que é o valor total do negócio. Os papéis da Agra fecharam a R$ 6,45 na última sexta-feira. O valor de R$ 9,54 por ação representa prêmio de 48% sobre essa cotação.O preço da ação a R$ 9,54 foi superior ao do IPO da Agra, conforme destacou Horst. "Poucas empresas estão sendo negociadas acima do IPO", disse. O executivo disse considerar a venda da empresa para a Cyrela um ótimo negócio e que o valor pago é justo. "As duas empresas juntas têm potencial de valorização muito maior." Já Largman informou que a Agra foi comprada por um valor menor que os múltiplos em que a Cyrela é cotada em bolsa. "Apesar da diluição, o resultado conjunto será muito maior", disse. "Apesar do prêmio, o negócio foi muito barato para a Cyrela", disse um analista que preferiu não ser identificado. Segundo ele, a Cyrela, negociada com o múltiplo de preço sobre lucro de dez vezes, pagará o múltiplo de 5,4 vezes pela Agra. Outro analista que prefere manter o anonimato disse não avaliar que a Cyrela esteja pagando caro pela Agra. Já o analista da Link Investimentos, Leonardo Cavarge, considerou justo o preço acertado entre as duas empresas.Os papéis da Agra devem deixar de ser negociados na Bovespa em agosto. O futuro da marca, porém, está indefinido. "Não sabemos se a marca irá desaparecer ou se será direcionada a um segmento específico", disse Horst.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.