Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Cyrela entra no segmento de empréstimos e promete crédito em até dois dias

CashMe, primeira startup da incorporadora, dará empréstimos de até R$ 2 milhões com prazo de até 12 anos; com foco em startups, Cyrela também vai lançar espaço de coworking nos moldes do Cubo em agosto

Jéssica Alves, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2018 | 20h33

A Cyrela lançou a plataforma CashMe e dá entrada no segmento de empréstimos com imóveis em garantia. A primeira startup da incorporadora surgiu no final do ano passado para atender os próprios clientes da Cyrela. Este ano ela passou a conceder empréstimos com garantia de imóveis (home equity) também de outras incorporadoras e com a promessa de aprovar o crédito em até dois dias.

A ideia da startup surgiu no momento de crise, quando alguns parceiros da Cyrela não conseguiam financiamento no banco e acabaram pedindo à incorporadora. "É um mercado que as pessoas demoram para serem atendidas. O principal objetivo é ter agilidade e trazer custos atrativos pela nossa expertise de saber o valor do imóvel e tramites de registro e cartório, por exemplo", explica Paulo Gonçalves, Diretor de Finanças e Relações com Investidores.

Uma das vantagens do financiamento é que a análise e aprovação do crédito podem levar até 2 dias, segundo Gonçalves, enquanto a média do mercado é de 45 dias. A startup começou com clientes que compravam imóveis da própria Cyrela na planta e precisavam de financiamento. Hoje, ela financia até 60% do imóvel e propõe atender o mercado como um todo, seja para quem quitou apartamento e precisa de recursos para pagar dividas ou até para o empresário que precisa de capital de giro. 

O foco da empresa é no pequeno e médio empresário com empréstimos entre R$ 600 mil e R$ 2 milhões. O financiamento pode ser feito no prazo de até 12 anos com taxa de 1,25% a. M.

Em dois meses de testes, a startup já soma propostas de mais de R$ 40 milhões. A expectativa é que esse número chegue a R$ 500 milhões em 5 anos. Atualmente, o mercado de home equity movimenta R$ 15 bilhões. A expectativa é que em 10 anos esse número chegue a R$ 100 bilhões. 

Menos construção, mais inovação

A empreitada da Cyrela no segmento de empréstimos e de startups vem para complementar o castigado mercado de construção, segundo Gonçalves. 

Embora a incorporadora continue sendo o foco da Cyrela, ela está de olhos atentos nas startups que podem otimizar o setor, conta Juliano Bello, Diretor Administrativo Financeiro. Além da CashMe, 20 startups trabalham dentro da Cyrela nos mais diferentes segmentos, entre elas a Quinto Andar, por meio da qual mais de 2 mil clientes investidores da construtora já conseguiram alugar os imóveis adquiridos.

A companhia também automatizou todo o sistema de pagamento de IPTU com um projeto de inteligência artificial desenvolvido pela startup Nuveo, que gerou economia de R$ 1 milhão por ano em custo com multas de atraso.

Com foco na transformação digital do setor imobiliário a Cyrela criou o MitHub, grupo que inclui empresas como Grupo ZAP, Astella, Brasil Bokers, Softplan, Athie, BNZ e Marco Poli, um dos maiores investidores anjo do País, fazem parte do grupo. 

A ideia é que o grupo possa desenvolver negócios e auxiliar startups com mentorias. A Associação terá também um espaço de Coworking nos moldes do Cubo, do Itaú, para fomentar o desenvolvimento de novas startups do setor. 

"O objetivo é desenvolvimento e futuro deste segmento que é um dos mais importantes do país", diz Juliano Bello.

 

Tudo o que sabemos sobre:
startupEmpréstimoConstrutora Cyrela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.