Da cabeça de um expert ao domínio de todos

Tratando de saberes específicos e muitas vezes pouco difundidos, a gestão do conhecimento de moscas brancas em uma empresa depende de programas de capacitação organizados por profissionais também desconhecidos da maior parte dos brasileiros: os designers instrucionais. Confira os principais trechos de uma entrevista com a autora do livro 'Design Instrucional Contextualizado', Andrea Filatro:

O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2011 | 03h08

Quando a utilização do design instrucional é apropriada?

Em geral as ações são feitas a distância e com soluções educacionais para áreas ainda não mapeadas, como no caso dos moscas brancas. Não há ainda um curso de formação específico para aquela necessidade, então essa metodologia é aplicada para a construção de soluções educacionais. Podem ser cursos, eventos de aprendizagem, materiais auto-instrucionais, entre outras coisas.

De que forma essa metodologia chega às empresas?

Se falarmos em educação corporativa, às vezes o conteúdo que vai ser trabalhado é proprietário, só existe dentro da empresa ou na cabeça de um mosca branca. Então o designer instrucional procura transformar o conhecimento tácito do especialista em conhecimento explícito e dá um tratamento pedagógico e comunicacional para que isso possa ser transmitido e desenvolvido em outras pessoas.

Este é um tipo de ação desenvolvida no longo prazo?

Depende do objetivo de aprendizagem. Você pode focar numa necessidade específica e gerar um curso que enfatize um aspecto desse profissional mosca branca. Mas, se você quiser formar um clone - um profissional inteiro -, aí logicamente a ação é de longo prazo. Mas, em geral, o designer instrucional visa a soluções específicas. Ele faz um recorte e pergunta: qual é competência que vamos desenvolver, qual é o conteúdo e qual é o domínio cognitivo que vai ser trabalhado? Faz parte das atribuições desse profissional identificar, no conjunto de competências dos moscas brancas, quais são as demandadas por outros profissionais. Ele faz uma filtragem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.