Dado do mercado de trabalho dos EUA impulsiona Wall Street

Dado do mercado de trabalho dos EUA impulsiona Wall Street

Apesar do rali, os principais índices tiveram queda na semana, com o primeiro diagnóstico de Ebola em um paciente nos Estados Unidos

REUTERS

03 de outubro de 2014 | 18h05

O S&P 500 teve nesta sexta-feira seu melhor dia desde agosto, refletindo dados mais fortes do que o esperado de geração de empregos dos Estados Unidos em setembro, que elevaram as expectativas para a economia do país.

Apesar do rali, os principais índices tiveram queda na semana, com o primeiro diagnóstico de Ebola em um paciente nos Estados Unidos e protestos em Hong Kong entre os principais catalisadores para a venda acentuada no início da semana.

O Departamento de Trabalho dos EUA informou que a criação de vagas fora do setor agrícola chegou a 248 mil no mês passado e a taxa de desemprego caiu para 5,9 por cento.

"Havia uma série de temores no mercado, e o mercado estava devolvendo muito dos ganhos. Acho que o relatório sobre empregos excluiu várias preocupações de curto prazo sobre o ritmo (de crescimento) da economia, e a cobertura de posições vendidas ajudou", disse Robbert Van Batenburg, diretor de estratégia de mercado da Newedge USA, em Nova York.

O índice Dow Jones subiu 1,24 por cento, a 17.009 pontos. O S&P 500 avançou 1,12 por cento, a 1.968 pontos. O Nasdaq cresceu 1,03 por cento, a 4.475 pontos.

Na semana, o Dow caiu 0,6 por cento e o S&P 500 recuou 0,8 por cento. A Nasdaq perdeu 0,8 por cento.

Entre as ações mais ativas na Nyse, Rite Aid subiu 0,8 por cento. O ADR da Petrobras ganhou 4,33 por cento.

(Por Caroline Valetkevitch)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUAPRELIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.