Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dados apontam para mais um poço seco no pré-sal

Sonda a serviço da Petrobrás teria sido transferida para novas perfurações, mas estatal não confirma

Kelly Lima e Nicola Pamplona, RIO, O Estadao de S.Paulo

26 de agosto de 2009 | 00h00

Dados sobre perfuração de poços da Agência Nacional de Petróleo (ANP) apontam a possibilidade de um terceiro poço seco no pré-sal da Bacia de Santos, o primeiro a ter como operadora a Petrobrás. Concessionária integral do bloco BM-S-17, a sudoeste do Pólo de Tupi, a estatal teria concluído o trabalho exploratório no dia 11, segundo dados da agência. Pela legislação, descobertas tem de ser informadas no prazo de 72 horas. De acordo com relatório da atualização mensal de poços, a sonda Paulo Wolf, da empresa Noble, que estava perfurando o poço, foi retirada do reservatório após terminar os trabalhos e transferida para novas perfurações no BM-S-11, onde estão Tupi e Iara. "A operadora tem de informar imediatamente. Não pode passar tempo", diz o geólogo Giuseppe Baccocoli. Ele analisou o caso apenas em tese, já que alegou não estar acompanhando de perto a situação do BM-S-17. Outro geólogo, que preferiu não se identificar, lembrou que corrobora a tese de poço seco o fato de a plataforma já ter seguido para outra locação. "Isso só reforça a tese de que não há risco zero. Não há 100% de certeza sobre onde pode ser perfurado um poço", comentou o geólogo, criticando a posição do governo federal de defender 100% de sucesso no pré-sal. A Petrobrás não confirma que o poço no BM-S-17 era seco. De acordo com a estatal, a sonda continua no mesmo local, embora os dados da ANP informem o deslocamento. A estatal informou que foi necessário reiniciar a perfuração do poço por questões operacionais. "Nesses casos, a ANP considera o poço como concluído e muda a sigla, substituindo o A pelo B na nomenclatura. Assim, o poço IBRSA757ASPS passou a ser 1BRSA757BSPS." Porém, a última atualização de dados da ANP, na segunda-feira, não traz mudança. Até agora, dos 15 poços perfurados pela Petrobrás na Bacia de Santos, todos tiveram sucesso. A Exxon, única operadora privada no Polo de Tupi, foi a primeira a ter uma perfuração sem indícios de óleo ou gás, no BM-S-22, conhecido como Guarani, no qual tem parceria com a Petrobrás e Hess. Anteontem, a BG também disse que era seco o segundo poço perfurado no BM-S-52, em outra parceria com a Petrobrás. Segundo a BG, a perfuração no primeiro poço, de Corcovado 1, tinha sido suspensa por causa de um problema técnico. Por isso, foram para o Corcovado 2, enquanto o equipamento era consertado. O presidente da BG, Frank Chapman, disse na entrevista de divulgação do balanço que está otimista com o projeto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.