finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Dados comprovam falta de energia no Brasil no dia do apagão

Governo diz que houve falhas técnicas, mas números do ONS mostram que não havia energia disponível para atender a demanda

ANNE WARTH,EDUARDO RODRIGUES, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2015 | 21h42

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, tem justificado que falhas técnicas causaram o apagão da última segunda-feira e reafirmado que há sobras de energia no País. Mas os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) são claros quanto à origem do blecaute que deixou dez Estados e o Distrito Federal sem luz: não havia energia disponível para atender ao pico de demanda. Em decorrência dessa limitação de geração, equipamentos entraram em pane e passaram a comprometer o abastecimento nacional.

As limitações de geração estão no acompanhamento diário feito pelo ONS. Para garantir o abastecimento do País, o regulador deve manter uma oferta de geração 5% superior à demanda projetada diariamente. Essa margem de segurança é o que permite administrar a oferta em momentos de pico de consumo. Ocorre que, atualmente, essa “sobra” tem ficado na casa dos 3%. Nesta semana, em várias situações, ela nem sequer existiu.

No dia do apagão, o ONS havia se programado para colocar 79.122 megawatt (MW) no sistema nacional de energia. Só que a demanda efetivamente registrada, segundo informações do operador, chegou a 79.553 MW- ou seja, no lugar de ter carga extra para garantir o atendimento, o parque nacional de geração ficou devedor em 431 MW.

Essa situação ocorreu no horário de “pico regulatório”, entre as 17 horas e as 22 horas. Isso significa que, na prática, o saldo negativo foi certamente maior, já que os recordes de demanda de energia têm ocorrido entre as 14 horas e as 16 horas. 

“Está claro que a queda da frequência alegada pelo governo é resultado dessa demanda de pico, que o governo não conseguiu atender”, diz o especialista Claudio Salles, diretor do Instituto Acende Brasil. 

Paliativo. A importação de energia da Argentina iniciada na terça-feira ajudou a atenuar o estresse na geração, mas não resolveu o problema. Na terça-feira e na quarta-feira, diversas regiões do País registraram índices de geração que comprometeram a margem de segurança do sistema. 

Na quarta-feira, por exemplo, a Região Sul registrou demanda de 15.739 MW, superando os 15.726 MW que estavam programados. Essas limitações regionais ocorrem porque o setor elétrico tem restrições técnicas para fazer o intercâmbio de energia. 

Duas semanas atrás, após encontro do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), composto pela cúpula da área de energia, o governo garantiu que o País tem “sobra estrutural de cerca de 7.300 MW médios” e que não há falta de energia. Especialistas veem o discurso oficial com cautela. 

“Há uma certa distância entre o que mostram os dados e as conclusões do governo. O ONS tem feito o que pode, mas é claro que hoje vivemos uma situação de absoluto estresse”, diz o presidente da Comerc Energia, Cristopher Vlavianos.

No curto prazo, a situação não deve se alterar. “Está faltando potência, tanto que estamos buscando apoio fora do País e acionando o que temos ainda de térmicas”, disse João Carlos Mello, presidente da consultoria Thymos Energia. 

Tudo o que sabemos sobre:
apagãoenergiaons

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.