Dados comprovam falta de energia no Brasil no dia do apagão

Governo diz que houve falhas técnicas, mas números do ONS mostram que não havia energia disponível para atender a demanda

ANNE WARTH,EDUARDO RODRIGUES, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2015 | 21h42

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, tem justificado que falhas técnicas causaram o apagão da última segunda-feira e reafirmado que há sobras de energia no País. Mas os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) são claros quanto à origem do blecaute que deixou dez Estados e o Distrito Federal sem luz: não havia energia disponível para atender ao pico de demanda. Em decorrência dessa limitação de geração, equipamentos entraram em pane e passaram a comprometer o abastecimento nacional.

As limitações de geração estão no acompanhamento diário feito pelo ONS. Para garantir o abastecimento do País, o regulador deve manter uma oferta de geração 5% superior à demanda projetada diariamente. Essa margem de segurança é o que permite administrar a oferta em momentos de pico de consumo. Ocorre que, atualmente, essa “sobra” tem ficado na casa dos 3%. Nesta semana, em várias situações, ela nem sequer existiu.

No dia do apagão, o ONS havia se programado para colocar 79.122 megawatt (MW) no sistema nacional de energia. Só que a demanda efetivamente registrada, segundo informações do operador, chegou a 79.553 MW- ou seja, no lugar de ter carga extra para garantir o atendimento, o parque nacional de geração ficou devedor em 431 MW.

Essa situação ocorreu no horário de “pico regulatório”, entre as 17 horas e as 22 horas. Isso significa que, na prática, o saldo negativo foi certamente maior, já que os recordes de demanda de energia têm ocorrido entre as 14 horas e as 16 horas. 

“Está claro que a queda da frequência alegada pelo governo é resultado dessa demanda de pico, que o governo não conseguiu atender”, diz o especialista Claudio Salles, diretor do Instituto Acende Brasil. 

Paliativo. A importação de energia da Argentina iniciada na terça-feira ajudou a atenuar o estresse na geração, mas não resolveu o problema. Na terça-feira e na quarta-feira, diversas regiões do País registraram índices de geração que comprometeram a margem de segurança do sistema. 

Na quarta-feira, por exemplo, a Região Sul registrou demanda de 15.739 MW, superando os 15.726 MW que estavam programados. Essas limitações regionais ocorrem porque o setor elétrico tem restrições técnicas para fazer o intercâmbio de energia. 

Duas semanas atrás, após encontro do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), composto pela cúpula da área de energia, o governo garantiu que o País tem “sobra estrutural de cerca de 7.300 MW médios” e que não há falta de energia. Especialistas veem o discurso oficial com cautela. 

“Há uma certa distância entre o que mostram os dados e as conclusões do governo. O ONS tem feito o que pode, mas é claro que hoje vivemos uma situação de absoluto estresse”, diz o presidente da Comerc Energia, Cristopher Vlavianos.

No curto prazo, a situação não deve se alterar. “Está faltando potência, tanto que estamos buscando apoio fora do País e acionando o que temos ainda de térmicas”, disse João Carlos Mello, presidente da consultoria Thymos Energia. 

Tudo o que sabemos sobre:
apagãoenergiaons

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.