Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Dados do BC não permitem dizer que a inflação cairá

O índice de atividade econômica do Banco Central (IBC-Br) subiu 0,51% em março, sobre fevereiro, em dados dessazonalizados. E, no 1.º trimestre do ano, cresceu 1,28% sobre o 4.º trimestre do ano passado. A esses dados se acrescentaram os do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que mostram, para os quatro primeiros meses do ano, uma geração de empregos 20% menor do que no mesmo período de 2010. Daí se conclui que estamos diante de uma desaceleração do crescimento.

, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2011 | 00h00

Isso era previsto, e até desejado, para aliviar a pressão inflacionária - e, ao crescimento do PIB de 2010 de 7,5%, as previsões do Banco Central (BC), mais realistas que as do governo, acrescentam 4% para o presente exercício. O que se pergunta é se essa taxa permite um controle efetivo da inflação.

Os dados do 1.º trimestre apontam para um crescimento anualizado de 5,2%, ante 4,2% apontado no 4.º trimestre de 2010. É preciso reconhecer que, por enquanto, o IBC-Br não sinaliza uma desaceleração do crescimento, embora se possa admitir que a inflação deverá levar as famílias a refrear seus gastos.

Parece-nos arriscado relacionar essa perspectiva a uma redução do ritmo de criação de empregos com carteira assinada, assim como a um ligeiro aumento do desemprego. Sabemos que, numa situação de quase pleno emprego, em que a falta de mão de obra especializada é patente, a interpretação dos dados relativos ao emprego deve ser muito cautelosa. O que interessa para o rumo da economia é, antes de tudo, a evolução da folha salarial que se define a partir da multiplicação do número de empregados pela sua remuneração. No caso da indústria, no 1.º trimestre, essa folha real apresentou crescimento de 6,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados do Caged mostram que o setor que mais cresceu em abril foi o dos serviços, justamente aquele em que os salários reais mais aumentam.

Não podemos também negligenciar o fato de que os maiores dissídios serão realizados no 2.º semestre, num período em que a inflação estará em seu nível máximo, isto é, fundamentando maiores reajustes salariais para categorias numerosas e fortes no plano sindical, como a dos metalúrgicos.

Essa perspectiva de um forte aumento da renda se traduzirá por uma elevação da demanda, isto é, da produção, mas também das pressões inflacionárias.

Parece-nos arriscado acreditar que a desaceleração da economia vá forçar um recuo da inflação, embora possamos esperar uma ligeira queda do preço das commodities.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.